Empresários e contabilistas destacam oportunidade da Grande Baía para Macau e Portugal

Maria da Assunção Abdula, presidente da Federação das Mulheres Empresárias e Empreendedoras da CPLP, apelou à união entre empresários dos países de língua portuguesa. Maria Carolina Lousinha, da Aicep, diz que a agência está disponível para ajudar na internacionalização para Macau.

Os oradores presentes na quinta edição do Fórum de Jovens Empresários entre a China e os Países de Língua Portuguesa pretendem trazer mais empresas para a região de Macau, mais abertura e facilidade de negócios entre os países de língua portuguesa e apelam à união entre empresários, sobretudo para o plano Greater Bay Area (região da Delta do Rio das Pérolas, onde Macau está inserida).

Segundo Diane Aguiar, advogada da Vong Hin Fai Lawyers & Private Notary, Macau vive uns dos momentos “entusiasmantes” por ter sido incluído na zona da Grande Baía. “Acho que é curioso, porque falam em «megatrópole». Esta área representa apenas 1% da China em termos de território mas 12% do seu PIB. Este é o momento de Portugal e de os países de língua portuguesa aproveitarem”, referiu, na sessão moderada por Calvin Chui, presidente da Cimeira da Juventude de Macau e fundador da Associação de Estudantes Luso-Macaense.

Para José Farinha, sócio da BTC Consulting e diretor da Ordem dos Contabilistas Certificados, a segurança da informação financeira é fundamental para as empresas portuguesas fazerem negócios na China. Na sua opinião, para os negócios a partir de Macau para a China há cada vez mais estudos de viabilidade económica, financeira e fiscal, bem como due dilligence e projetos de fusões e aquisições. No âmbito da Feira Internacional de Macau 2019 (MIF), José Farinha destacou ainda que há cada vez mais empresas portuguesas a criar relações comerciais com a China, lembrou a importância do Instituto de Promoção do Comércio e Inovação de Macau na ponte de negócios a partir de Macau para a China e deixou um conselho ao tecido empresarial nacional: “Há que aproveitar todos os acordos que já existem como as convenções de dupla tributação e incentivos fiscais”.

Portugueses e brasileiros procuram apoio para vistos de trabalho e residência

“Quero desenvolver o mercado de Macau na minha firma, trazer mais empresas brasileiras e portuguesas. Adoro Macau e está no meu radar”, disse Thomas Wong, CEO da firma de contabilidade CW CPA, no painel “Macau: ponte de negócios para a China”. O gestor, que confessou ter algum backgroud português por ter estudou na escola portuguesa Vasco da Gama, em Hong Kong, aproveitou a ocasião para deixar algumas palavras em português à audiência, desafiando os interessados em estabelecer negócios na China Continental a um trabalho conjunto. “Algo em que tenho estado a ajudar os clientes brasileiros portugueses, quando querem vir para Macau, é nos vistos de trabalho e para residentes permanentes, e a investir em Shenzhen”, sublinhou neste encontro organizado pela Associação de Jovens Empresários Portugal-China.

Maria da Assunção Abdula, presidente da Federação das Mulheres Empresárias e Empreendedoras da CPLP, deixou um apelo à união dos empresários destes países, porque, dessa forma, conseguem enfrentar o grande mercado chinês. “Queremos abertura e facilidade para os nossos negócios. A CPLP tem nove países e 250 milhões de habitantes, onde Portugal e Brasil têm mais expressão, mas há outros que também são necessários para desenvolver os nossos negócios. Precisamos de nos organizar e fazer frente ao mercado chinês. Isoladamente ninguém pode fazer frente a nada”, propôs.

Por sua vez, a representante da Aicep – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, garantiu que a entidade está disponível para apoiar as empresas portuguesas na internacionalização e no investimento em Macau. “Estamos atentos às oportunidades que o projeto da Grande Baía pode criar nas trocas comerciais”, realçou Maria Carolina Lousinha, comissária de Comércio e Investimento da Aicep. “Temos uma equipa reforçada, com um escritório aqui em Macau, em Cantão e em Pequim. Podem contar com o nosso apoio”, concluiu neste fórum da MIF, que decorre entre os dias 17 e 19 de outubro, no hotel The Venetian.

*O Jornal Económico está em Macau a acompanhar a MIF 2019, com uma equipa de reportagem. Siga-nos no site e na edição semanal.

Ler mais
Relacionadas

BNU assina acordo em Macau para aumentar negócios entre China e países lusófonos

Carlos Álvares explicou que “o grande objetivo é aumentar o volume de negócios e de investimento entre os países de expressão portuguesa e a China, utilizando Macau como uma plataforma”, falando à margem da Feira Internacional de Macau e da Exposição de Produtos e Serviços dos Países de Língua Portuguesa, que hoje começou.

MIF 2019: “Esta é a oportunidade para promover os produtos portugueses na China”

Alberto Neto, presidente da Associação de Jovens Empresários Portugal – China, diz que a feira possibilita a promoção dos produtos portugueses no gigantesco mercado chinês. Este ano, participam na MIF 205 empresas portuguesas de vários setores.

MIF 2019: Macau estuda mercado internacional para tomar decisão sobre bolsa de valores

Lionel Leong, secretário para a Economia e Finanças de Macau, afirmou que, para além de ser apreciada a realidade local, é preciso “estudar o mercado internacional”, bem como avaliar questões que vão desde o enquadramento jurídico e a formação de quadros, até à respetiva fiscalização da atividade.

MIF 2019: Macau ambiciona papel central nas relações entre a China e a lusofonia

A 24ª edição da Feira Internacional de Macau conta com as participações de 205 empresas portuguesas. Governo da Região Especial chinesa quer que Macau assuma um papel cada vez mais relevante na relação com os países de língua portuguesa. O JE está em Macau a acompanhar a MIF 2019, com uma equipa de reportagem.
Recomendadas

Lei para criar Zona Económica Especial Marítima de São Vicente deve ir ao parlamento de Cabo Verde ainda este ano

“Já temos um quadro fiscal devidamente desenhado, para que logo de seguida possa ser publicado e pudermos avançar com o início da implementação da Zona Económica Especial Marítima de São Vicente”, revelou o vice-primeiro ministro e ministro das Finanças de Cabo Verde.

Tribunal de Contas de Cabo Verde regista irregularidades nas contas do Fundo de Ambiente

Em 2012 houve um desfalque de 28 mil contos, 2013 de 128 mil contos e 2014 de 344 mil contos, segundo o TdC cabo-verdiano

Novo Estatuto dos Militares de Cabo Verde entra em vigor a 1 de janeiro

O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro cabo-verdiano, que diz que as Forças Armadas encontram-se num “momento de viragem”.
Comentários