Empresas assumem que crises de saúde pública não eram um risco prioritário

Em 2019, as empresas colocavam o risco pandémico na 60ª posição numa lista de 69 riscos identificados, cenário que veio trazer maiores dificuldades às equipas de gestão destas empresas em responder de forma rápida e eficaz à pandemia que se alastrou pelo mundo há cerca de um ano.

A maioria das empresas (82%) inquiridas num estudo da Aon revelaram que as crises de saúde pública não eram um risco prioritário e que, na região EMEA (Europa, Médio Oriente e África), apenas 30% tinham desenvolvido um plano de resposta a crises de saúde antes da chegada da pandemia de Covid-19.

De acordo com o relatório ‘Reprioritizing Risk and Resilience For a Post-Covid-19 Future’, 82% dos gestores afirma que, antes da Covid-19, as pandemias ou outros tipos de crises de saúde pública não estavam na lista dos dez principais riscos para as suas organizações.

Prova disso foram os resultados do último ‘Global Risk Management Survey’, apresentado em 2019, que colocavam o risco pandémico na 60ª posição numa lista de 69 riscos identificados, cenário que veio trazer maiores dificuldades às equipas de gestão destas empresas em responder de forma rápida e eficaz à pandemia que se alastrou pelo mundo há cerca de um ano.

Outra das conclusões do estudo são as diferenças na forma como as empresas responderam à pandemia região a região. Antes da pandemia, menos de 30% dos inquiridos na região da EMEA tinha implementado um plano de resposta contra pandemias, valor semelhante ao da América do Norte, onde apenas 31% tinham estes planos implementados.

Por outro lado, 52% dos inquiridos na região APAC (Ásia-Pacífico) afirmaram já ter um programa de mitigação de cenários pandémicos desenvolvido, percentagem esta que se justifica pelo facto das organizações desta zona geográfica já terem desenvolvido no passado uma estrutura robusta para responder a ameaças pandémicas, como foi o caso do surto de SARS ou a gripe suína. Adicionalmente, e de modo transversal a todos os sectores de atividade e regiões envolvidas neste estudo, as empresas salientaram que, em relação ao risco pandémico, a sua principal prioridade está na proteção de pessoas e ativos.

Por fim, a correlação que o rácio de infeção em cada região teve na evolução das empresas pelas diferentes etapas de resposta, o estudo revela que  a América do Norte tem a percentagem mais elevada de organizações na fase de recuperação (59%), a região da APAC tem 36% das suas organizações na fase de reformulação, acima da média global de 29% – mais uma vez pela sua experiência na resposta a cenários de pandemia. Apesar das diferenças registadas, mais da metade das empresas a nível mundial foram unânimes a afirmar que esperam que a Covid-19 continue a impactar os seus negócios daqui a um ano.

Ler mais
Recomendadas

Sonae reforça posição na Sonae Sierra ao comprar 10% do capital desta à Grosvenor

O grupo com sede na Maia passa assim a deter 80% da Sonae Sierra, depois de adquirir 10% por uns estimados 82,16 milhões de euros à Grosvenor.

CEO do Goldman Sachs anuncia investimento de 156 mil milhões de dólares na sustentabilidade

David Solomon, presidente e CEO da Goldman Sachs, anunciou o progresso anual rumo ao compromisso do banco norte-americano em termos de Sustainable Finance Commitment. O banco norte-americano quer que os EUA regressem ao Acordo de Paris.

Administração da Semapa diz que preço da OPA da Sodim é o adequado

A administração da Semapa considera a OPA oportuna e o preço de 11,40 euros, bem como as restantes condições, são as adequadas.  A Semapa também diz que a OPA não prevê a necessidade de proceder a alterações às condições atuais dos trabalhadores e que o perfil de risco de crédito da empresa não será alterado.
Comentários