Empresas espanholas ponderam deslocalização para Portugal devido a alterações fiscais

Stella Raventós, presidente da Associação Espanhola de Assessores Fiscais, reconheceu que a associação recebeu diversos pedidos de consultas de empresas e de investidores sobre a possibilidade de se deslocarem para para Portugal e para o Reino Unido depois de o governo de coligação espanhol ter anunciado a subida de impostos.

As alterações fiscais no acordo para formar um governo de coligação em Espanha entre o PSOE e o Podemos levou empresas espanholas a ponderarem deslocarem-se para Portugal e para o Reino Unido, tendo pedido assessoria junto da Associação Espanhola de Assessores Fiscais (AEDAF), notícia o “Expansión“, esta sexta-feira.

A publicação revela que a “AEDAF recebeu várias consultas de empresas e de investidores para inteirarem-se sobre as opções de se deslocalizarem para o estrangeiro depois do anúncio das alterações e das subidas de impostos do novo governo de coligação.

Stella Reventós, presidente da AEDAF, disse que a segurança jurídica em Espanha é “um imperativo legal” e que, no país vizinho, existe uma “contínua alteração de normas” que penaliza as empresas na hora de realizarem investimentos.

A presidente da AEDAF reconheceu que a associação recebeu diversos pedidos de consultas de empresas e de investidores sobre a possibilidade de se deslocarem para para Portugal e para o Reino Unido.

A situação não surpreendeu Stella Raventós porque defendeu que a concorrência entre os países europeus também se faz a nível fiscal, tal como se faz entre as ‘comunidades autónomas em Espanha’.

“Se um Estado decide subir muito os impostos, as pessoas mudam-se para outro”, frisou Stella Raventós.

Ler mais

Relacionadas

Salário mínimo em Espanha sobe para 950 euros este ano

Em 2008, o salário mínimo espanhol situava-se em 600 euros, tendo aumentado gradualmente até aos 950 euros previstos para este ano. Salário mínimo em Portugal aumentou para os 635 euros este ano.

Espanha: Governo estuda redução das penas por sedição

A avançar, o novo quadro penal pode ir em auxílio dos independentistas presos. Mas Sánchez quer endurecer a pena de rebelião e construir um quadro penal para a organização de referendo ilegal.

Pedro Sánchez recusa reunir com Juan Guaidó em Davos

Desafiando a proibição de sair do território venezuelano, Juan Guaidó decidiu embarcar numa viagem pela Europa onde irá visitar os respetivos chefes de Estado.
Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

“Queremos estar na linha da frente para relançar a economia nacional”, assegura vice-presidente da IP

Segundo os dados mais recentes fornecidos pela gestora da rede ferroviária nacional ao Jornal Económico, 63% das obras previstas no pano Ferrovia 2020 estão em andamento ou já foram finalizadas, um aumento face aos 52% neste estado que se verificavam em fevereiro deste ano. Estão mais de 800 milhões de euros em obra.

CGTP considera que apoios às empresas e famílias negligenciam “questões essenciais”

“A procura interna e o consumo das famílias, não só no atual período, como na fase que se vai seguir, serão determinantes para relançar a economia, promover emprego e assegurar que os bens e serviços das empresas são vendidos”, sustenta a intersindical.
Comentários