Empresas florestais defendem que sejam os contribuintes a pagar a limpeza de terrenos privados

Os proprietários dizem que não têm dinheiro para pagar os terrenos e defendem que o financiamento deve vir dos impostos.

Os proprietários dizem que não têm dinheiro para limpar os seus terrenos florestais, no âmbito do programa de prevenção dos incêndios.

A Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente (ANEFA) defende que o dinheiro dos contribuintes deve ser usado para limpar os terrenos privados.´

“Se isto é uma questão de proteção civil, terá toda a sociedade civil de encontrar uma maneira de ajudar a financiar essas limpezas. Enquanto isso não acontecer, o proprietário não ganha dinheiro, por si só, com a floresta, para andar a limpar todos os anos”, defendeu o presidente da ANEFA Pedro Serra Ramos em entrevista à rádio TSF.

O dirigente aponta que não é preciso aumentar a carga fiscal bastando usar parte das receitas do Impostos sobre os Produtos Petrolíferos e Energéticos (ISP) na limpeza das florestas privadas.

“O problema é que nós temos um imposto que é o Fundo Florestal Permanente, que é taxado sobre os combustíveis, que teoricamente deveria servia para ajudar esse tipo de situações e na realidade está a ser gasto com outras questões que deviam fazer parte do orçamento geral do Estado e não fazem. Se calhar teremos de passar esse dinheiro para um apoio aos proprietários que têm faixas a limpar, para os ajudar a fazê-lo todos os anos”, defende o presidente da ANEFA.

Recomendadas

Sporting rescinde protocolos com claques Juventude Leonina e Diretivo Ultras XXI

Decisão foi tomada “em virtude da escalada de violência que ontem [sábado] culminou com tentativas de agressões físicas a dirigentes e outros adeptos”, durante a vitória no futsal frente ao Leões de Porto Salvo (6-1), no Pavilhão João Rocha, explica a direção do clube.

Boris Johnson quer marcar reunião com Erdogan sobre Síria

O gabinete de Boris Johnson disse que o primeiro-ministro britânico e o presidente turco Erdogan “concordaram em procurar uma oportunidade para se reunirem com o presidente Macron e a chanceler Merkel para discutir a situação atual, assim como questões mais amplas, incluindo antiterrorismo e migração”.

Açores: Marcelo “muito impressionado” pela destruição “massiva” do furacão ‘Lorenzo’

A passagem do furacão causou a destruição total do porto das Lajes das Flores, o que colocou em risco o abastecimento ao grupo ocidental do arquipélago. O ‘Lorenzo’ provocou estragos na ordem dos 330 milhões de euros.
Comentários