Empresas inflacionam preços antes da ‘Black Friday’

Em 2015, o evento movimentou 700 milhões de euros em vendas. Na sequência do evento, a ASAE abriu cinco processos por ações enganosas.

REUTERS/Henry Romero

A Associação Portuguesa para a Defesa dos Direitos do Consumidor (Deco) analisou 1862 produtos de algumas lojas e concluiu que, no ano passado, no período que antecede à Black Friday, as empresas aumentaram o preço de cerca de 10% dos produtos analisados.

Na sequência de “diligências de averiguação e fiscalização junto dos operadores denunciados”, antes de a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) e a Direção-Geral do Consumidor (DGC) terem recebido o estudo da Deco, foram “instaurados cinco processos contraordenacionais” por “desrespeito das regras relativas ao preço referência e prática de ações consideradas enganosas”.

A informação foi transmitida pela autoridade de segurança ao “Jornal de Notícias” e indica que esses processos estão em fase de instrução. De acordo com a notícia do JN de hoje, a DGC já notificou os operadores económicos visados para comentarem o assunto.

Conforme explica a mesma entidade, por “não se verificarem indícios de infração ao regime jurídico da publicidade” não foram instaurados processos de contraordenação. A propósito do fenómeno Black Friday, a DGC adianta ao jornal que “não tem rececionado pedidos de informação sobre o tema (…) em matéria de conflitos de consumo”.

Na opinião do jurista Tito Rodrigues, o valor movimentado pela Black Friday [700 milhões de euros no ano passado] é “muito significativo” para ser deixado à “consideração das empresas”. Tito Rodrigues, da Deco, diz ao JN que a solução passa por alterar o diploma de apresentação do preço e por, nas vendas online, passar a haver um gráfico com a evolução dos preços dos produtos da empresa nos últimos 30 dias, entre outras medidas legislativas.

 

Recomendadas

Confederações patronais pedem reunião ao primeiro-ministro

“Os desafios que o país enfrenta num contexto tão exigente como o atual implicam uma convergência efetiva de esforços e a concertação com o sector privado da economia, primeiro responsável pela criação de emprego, pela geração de riqueza e pelo investimento”, argumentam CAP, CCP, CIP, CTP e CPCI.

Livro Verde: “O teletrabalho não pode, em nenhum caso, ser de recurso obrigatório”, defende CCP

No seu parecer à versão em consulta pública do Livro Verde sobre o Futuro do Trabalho, que termina esta terça-feira, a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal defende que o teletrabalho deve ser objeto de negociação coletiva e a sua regulação deve ser ponderada e não basear-se na realidade resultante da pandemia.

Mulheres entre a população ativa que está mais fora da força de trabalho na União Europeia

O Eurostat contabilizou os cidadãos que em 2020 não estavam empregados nem desempregados, mas que também não têm disponibilidade para procurar emprego por se encontrarem a estudar, a serem cuidadores informais ou por razões de doença ou de invalidez.
Comentários