Empresas japonesas impedem trabalhadoras de usarem óculos por causarem uma “impressão fria” junto dos clientes

Este tipo de proibições está a gerar muitas críticas no país do sol nascente. Uma das justificações apresentadas pelas empresas em causa é que as trabalhadoras femininas que têm contacto com clientes, ao usarem óculos estão a transmitir uma “impressão fria”, fazendo com que os clientes não se sintam à vontade para fazer perguntas ou resolver problemas.

Várias empresas japonesas aprovaram uma proibição que impede mulheres de usarem óculos no seu local de trabalho. A medida está a causar indignação nas redes sociais e já existem petições para impedir que mais empresas aprovem esta medida, avança a BBC.

Uma das justificações apresentadas pelas empresas em causa, que atuam no setor do retalho, é que as trabalhadoras femininas que têm contacto com clientes, ao usarem óculos estão a transmitir uma “impressão fria”, fazendo com que os clientes não se sintam à vontade para fazer perguntas ou resolver problemas.

Outras justificações baseiam-se na segurança, como é o caso das companhias aéreas. Algumas empresas de beleza afirmam que “ao usarem óculos, as mulheres não estão a mostrar a sua maquilhagem facial”.

Kumiko Nemoto, professora de sociologia da Universidade Quioto, é uma das principais vozes que se opõe às proibições, afirmando que “as justificações apresentadas pelas empresas não fazem sentido, e que se tratam de medidas sexistas e discriminatórias”.

Um membro do Governo japonês veio a público defender as mudanças, afirmando ser “necessário” às empresas atualizarem os seus “dress codes” e assegurarem que os seus funcionários os cumprem.

Recomendadas

Linha gratuita da Anacom de apoio à migração da rede TDT arranca hoje

A partir desta sexta-feira, qualquer utilizador da TDT pode ligar gratuitamente para o 800 102 002 e tirar dúvidas sobre o processo de libertação da faixa dos 700 Mhz, para dar lugar à quinta geração móvel (5G).

Regras da EBA sobre divulgação de malparado para bancos pequenos entram em vigor a 31 de dezembro

“O Conselho de Administração do Banco de Portugal aprovou a Instrução n.º 20/2019 que introduz no quadro normativo nacional as Orientações da Autoridade Bancária Europeia (EBA) sobre a divulgação de exposições não produtivas e exposições reestruturadas por parte das instituições de crédito menos significativas”, anuncia o supervisor bancário nacional.

Turismo: Dormidas a norte continuam em alta. Madeira é a única região a recuar

Segundo o INE, o Algarve concentrou 33,8% das dormidas, seguindo-se a AM Lisboa (23,9%) e o Norte (14,9%), sublinhando ainda que, desde o início deste ano, são de realçar os acréscimos no Norte de 9,6%,  de 7,9% no Alentejo e na RA Açores de 6,5%.
Comentários