Empresas japonesas impedem trabalhadoras de usarem óculos por causarem uma “impressão fria” junto dos clientes

Este tipo de proibições está a gerar muitas críticas no país do sol nascente. Uma das justificações apresentadas pelas empresas em causa é que as trabalhadoras femininas que têm contacto com clientes, ao usarem óculos estão a transmitir uma “impressão fria”, fazendo com que os clientes não se sintam à vontade para fazer perguntas ou resolver problemas.

Várias empresas japonesas aprovaram uma proibição que impede mulheres de usarem óculos no seu local de trabalho. A medida está a causar indignação nas redes sociais e já existem petições para impedir que mais empresas aprovem esta medida, avança a BBC.

Uma das justificações apresentadas pelas empresas em causa, que atuam no setor do retalho, é que as trabalhadoras femininas que têm contacto com clientes, ao usarem óculos estão a transmitir uma “impressão fria”, fazendo com que os clientes não se sintam à vontade para fazer perguntas ou resolver problemas.

Outras justificações baseiam-se na segurança, como é o caso das companhias aéreas. Algumas empresas de beleza afirmam que “ao usarem óculos, as mulheres não estão a mostrar a sua maquilhagem facial”.

Kumiko Nemoto, professora de sociologia da Universidade Quioto, é uma das principais vozes que se opõe às proibições, afirmando que “as justificações apresentadas pelas empresas não fazem sentido, e que se tratam de medidas sexistas e discriminatórias”.

Um membro do Governo japonês veio a público defender as mudanças, afirmando ser “necessário” às empresas atualizarem os seus “dress codes” e assegurarem que os seus funcionários os cumprem.

Recomendadas

Banco de Portugal vai sujeitar diretores do risco, compliance e auditoria ao ‘Fit & Proper’

Está em consulta pública até ao final de março um projeto de alteração de Aviso do Banco de Portugal que vai rever os requisitos aplicáveis em matéria de governo interno dos bancos. Entre as principais novidades introduzidas pelo regulador, destaca-se o alargamento do processo de avaliação e adequação diretores do risco, de compliance e de auditoria interna, e um relatório anual de autoavaliação dos bancos sobre o cumprimento das regras de controlo interno.

Coca-Cola Portugal nomeia primeira diretora-geral de nacionalidade portuguesa

Sandra Vera-Cruz junta-se a Rui Serpa que, em 2018, assumiu funções de diretor-geral na Coca-Cola European Partners, como os únicos portugueses com funções de chefia numa das maiores empresas ligadas ao setor das bebidas a nível mundial.

Telefónica aposta mais de três mil milhões na La Liga até 2022

Números assegurados pela Telefónica têm por base o potencial que os conteúdos exclusivos da La Liga Santander e La Liga SmartBank que poderão proporcionar outros ganhos no que respeita à retransmissão dos jogos.
Comentários