Empresas japonesas impedem trabalhadoras de usarem óculos por causarem uma “impressão fria” junto dos clientes

Este tipo de proibições está a gerar muitas críticas no país do sol nascente. Uma das justificações apresentadas pelas empresas em causa é que as trabalhadoras femininas que têm contacto com clientes, ao usarem óculos estão a transmitir uma “impressão fria”, fazendo com que os clientes não se sintam à vontade para fazer perguntas ou resolver problemas.

Várias empresas japonesas aprovaram uma proibição que impede mulheres de usarem óculos no seu local de trabalho. A medida está a causar indignação nas redes sociais e já existem petições para impedir que mais empresas aprovem esta medida, avança a BBC.

Uma das justificações apresentadas pelas empresas em causa, que atuam no setor do retalho, é que as trabalhadoras femininas que têm contacto com clientes, ao usarem óculos estão a transmitir uma “impressão fria”, fazendo com que os clientes não se sintam à vontade para fazer perguntas ou resolver problemas.

Outras justificações baseiam-se na segurança, como é o caso das companhias aéreas. Algumas empresas de beleza afirmam que “ao usarem óculos, as mulheres não estão a mostrar a sua maquilhagem facial”.

Kumiko Nemoto, professora de sociologia da Universidade Quioto, é uma das principais vozes que se opõe às proibições, afirmando que “as justificações apresentadas pelas empresas não fazem sentido, e que se tratam de medidas sexistas e discriminatórias”.

Um membro do Governo japonês veio a público defender as mudanças, afirmando ser “necessário” às empresas atualizarem os seus “dress codes” e assegurarem que os seus funcionários os cumprem.

Recomendadas

PAN pede campanha informativa sobre 5G em Matosinhos

Matosinhos tem uma Zonal Livre Tecnológica, promovida pelo CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento, da qual faz parte a NOS. A operadora usa a zona para testar 5G e em outubro anunciou ter coberto “integralmente” com a nova tecnologia móvel. Agora o PAN pede palestras, conferências e debates por toda a cidade para explicar o que é o 5G.

PremiumPropostas não vinculativas pela Brisa são esperadas até 19 de dezembro

O grupo José de Mello e o fundo Arcus, que controlam a maioria do capital, colocaram à venda 80% da empresa (40% cada um).

Transporte de passageiros nos aeroportos nacionais regista crescimento de 6,6%

Este valor representa um aumento de 7,8% em relação ao trimestre anterior num total de 18,8 milhões de passageiros. Em sentido inverso, o transporte de mercadorias verificou quebras de 12,9% nos portos marítimos nacionais, 15,9% por ferrovia e 5,8% por via rodoviária.
Comentários