PremiumEmpréstimos vencidos de sociedades não financeiras descem

No setor das famílias e das instituições sem fins lucrativos o saldo dos empréstimos concedidos em setembro era de 3,3 mil milhões de euros.

Os dados são da Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM)e referem-se ao final de setembro de 2019, altura em que o saldo dos empréstimos concedidos a cerca das 3.600 sociedades não financeiras (SNF) da Região não ultrapassava os 1,6 mil milhões de euros, número inferior em 61,3 milhões de euros, ou seja, menos 3,7%, em termos homólogos.

Até setembro de 2019, o saldo dos empréstimos concedidos a SNF tem apresentado uma tendência decrescente. No final do mês em referência, o montante de empréstimos vencidos ascendia aos 191 milhões de euros, o que representa uma diminuição em 5,5 milhões, e de menos 2,8% face ao trimestre anterior.

A redução homóloga é muito acentuada, evidenciando um decréscimo em 122 milhões de euros, menos 39,1% comparativamente a setembro de 2018. Esta evolução permitiu reduzir o rácio de empréstimos vencidos na Região, no mesmo período, de 18,8% para 11,9%. Comparativamente ao País, a Região Autónoma da Madeira (RAM) apresenta um rácio superior, sendo que no cômputo nacional, este indicador passou de 11% em setembro de 2018 para 6,4% em setembro de 2019.

A percentagem de devedores do setor das sociedades não financeiras com empréstimos vencidos era em setembro de 2019 de 21,2%, percentagem superior aos 18,9% em termos nacionais. Face a setembro de 2018, este indicador diminuiu 1,9% na região autónoma da Madeira.

No setor das famílias e das instituições sem fins lucrativos ao serviço das famílias (ISFLSF), o saldo dos empréstimos concedidos era de 3,3 mil milhões de euros em setembro de 2019, o que representa um montante inferior aos 3,4 mil milhões de euros (menos 1,3%) registado um ano antes.

Já no que toca ao trimestre anterior a variação é pouco significativa, pois nesta altura o saldo dos empréstimos concedidos era de apenas cinco milhões de euros. Desse saldo, 62,8% era referente ao segmento da habitação e o restante 37,2% ao consumo e outros fins.

Comparativamente a setembro de 2018, o saldo dos empréstimos concedidos referente ao segmento da habitação diminuiu 1,9%, enquanto no caso do consumo e outros fins a redução foi de 0,4%.

O número de devedores no setor das famílias e das ISFLSF ascendia aos 97 mil em setembro de 2019, apresentando uma tendência crescente no último ano, impulsionado pelo aumento nos devedores que contraíram empréstimo para consumo e outros fins.

Em termos homólogos, o crescimento global foi de 3,5% e neste segmento em particular de 5,5%. Já no segmento de habitação houve uma diminuição de 3,7%.

Relativamente aos empréstimos vencidos no segmento da habitação, os mesmos não ultrapassavam os 31 milhões de euros, representando um rácio de empréstimos vencidos de 1,5%, ligeiramente dos 1,1% a nível nacional.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 3 de janeiro.

Ler mais
Recomendadas

PremiumJane Fraser: Mulher escocesa atingiu o topo do mundo financeiro de Wall Street

A CEO do Citigroup é a primeira mulher a chegar ao topo de um banco cotado na bolsa mais importante do planeta, após uma fulgurante carreira em instituições de referência. O que também é uma referência, e não das melhores, é que a sua nomeação ainda seja notícia.

PremiumBraga de Macedo e Nuno Cassola: “Alimentou-se a ilusão de que o sistema bancário era sólido”

“Por onde vai a Banca em Portugal?” é o novo livro de Jorge Braga de Macedo, Nuno Cassola e Samuel da Rocha Lopes. Os dois primeiros falaram ao Jornal Económico sobre o passado, a gestão, a supervisão e o futuro do setor.

PremiumPresidente da AEP: “Regredimos mais de uma década ao nível das exportações”

Longe de terem desaparecido, os problemas de capitalização das empresas podem encontrar forte apoio no Banco de Fomento. Mas Luís Miguel Ribeiro, presidente da Associação Empresarial de Portugal, considera que também é necessário um choque fiscal.
Comentários