Encerramento do SAMS causou “perdas desnecessárias aos profissionais”, dizem sindicatos

Uma questão reforçada por todos os deputados, foi o facto das autoridades de saúde terem encerrado a Urgência devido à fonte de contágio entre profissionais mas o SAMS ter encerrado todas as unidades de saúde, colocando os profissionais em lay-off.

Os sindicatos dos profissionais de saúde, que representam médicos e enfermeiros, estiveram esta quarta-feira na Assembleia da República para discutir com os deputados o caso das unidades de saúde SAMS e o lay-off que praticaram durante um mês.

O deputado Moisés Ferreira, do Bloco de Esquerda, abriu a discussão e qualificou como “absurdo” vários profissionais qualificados das clínicas e hospital terem sido colocados em lay-off “em plena pandemia”, sendo que o “encerramento de um hospital como o SAMS” também não é normal”. O deputado do BE questionou ainda a razão dos profissionais que testaram negativo terem continuado a trabalhar quando “o vírus tem um longo período de incubação”.

Uma questão disposta por Moisés Ferreira e reforçada por outros deputados, foi o facto das autoridades de saúde terem encerrado a Urgência devido à fonte de contágio dos profissionais mas o SAMS ter encerrado todas as unidades de saúde, deixando apenas a funcionar os tratamentos de oncologia, radioterapia e hemodiálise.

O representante do Sindicato Independente dos Médicos, Jorge Roque da Cunha, afirmou que os profissionais de saúde desta instituição estão “numa situação de gravidade extrema” e que o encerramento das unidades fez pressão no Serviço Nacional de Saúde, algo que Roque da Cunha classifica como “um crime contra a saúde pública”.

Orlando Gonçalves, do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), apontou que o lay-off simplificado foi requerido a 24 de março mas o número de trabalhadores abrangidos pelo regime de suspensão é até à data desconhecido. O representante do CESP deu ainda o exemplo da Sonae da Azambuja, que verificou mais de 200 casos e que nunca encerrou portas do centro logístico, enquanto o SAMS apresentou menos de dez e fechou portas aos utentes e beneficiários.

Uma questão colocada pelos sindicatos presentes na discussão foi a perda de rendimentos desnecessária aos profissionais de saúde das instalações que foram colocados em lay-off, quando apenas as Urgências tinham sido encerradas aos utentes.

O representante do Sindicato Democrático dos Enfermeiros (SINDEPOR), Carlos Ramalho, apontou na Assembleia que não têm “a noção exata de quanto profissionais do SAMS ficaram em lay-off”, sabendo apenas que alguns dos profissionais de saúde que foram colocados no regime já regressaram às suas funções.

Carlos Ramalho acrescentou ainda que o encerramento da atividade do SAMS “não faz sentido” porque a SINDEPOR tem “a noção que sempre que as coisas se complicam, é o SNS que sofre”, uma vez que um hospital fica inutilizado durante uma pandemia que está a afetar todo o território nacional e provocar ruturas nos stocks hospitalares do SNS.

Nesta comissão estiveram ainda presentes a Federação Nacional dos Médicos, Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros, Sindicato dos Enfermeiros e Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem.

Ler mais
Recomendadas

Portugal quer “reforçar cooperação” com Guiné-Bissau na saúde, educação e justiça

António Costa afirma ter sublinhado o seu “empenho pessoal no relacionamento fraterno entre Portugal e a Guiné-Bissau”, que “deve estar à altura dos laços históricos” que unem os dois povos.

Governo revela plano de contingência para evitar colapso do SNS no outono

O gabinete de Marta Temido anunciou algumas medidas que deverão evitar o colapso do SNS numa altura em que a gripe sazonal marca o regresso. O Ministério da Saúde vai antecipar já para o início de outubro a vacinação contra a gripe sazonal e reforçar cuidados intensivos e laboratórios.

PremiumNovo Banco: Bloco de Esquerda considera “opaco” acordo com Bruxelas

BE já pediu documentos sobre cláusula em que Estado aceitou ser responsável por tudo aquilo que correr mal associado ao Novo Banco.
Comentários