Encerramento dos Aeroportos da Madeira não vai avançar, garante representante da República

O encerramento dos Aeroportos da Madeira foi uma reivindicação de Miguel Albuquerque, presidente do Governo da Madeira, como forma de impedir a propagação do coronavírus, numa fase em que a região ainda não tinha nenhum caso positivo de infecção por esta doença.

A pretensão do Governo da Madeira de encerramentos dos aeroportos da Madeira não vai avançar, por não existir compatibilidade com leis nacionais e com os compromissos assumidos a nível europeu, anunciou Ireneu Barreto, representante da República.

O encerramento dos aeroportos da região tinha sido uma reivindicação por parte de Miguel Albuquerque, presidente do Governo Regional da Madeira, como forma de conter a propagação do coronavírus, ainda antes de existir o primeiro caso positivo de contágio através desta doença.

O pedido de Albuquerque foi efectuado a 15 de março. As excepções estavam previstas e incluíam as ligações dos residentes do Porto Santo e de doentes que necessitem de se deslocar por motivos de saúde a outros locais, e o transporte por exemplo de medicamentos e bens essenciais.

O representante da República voltou a apelar às população para que fique em casa.

Ireneu Barreto disse ainda que se assume que as pessoas vão acatar estas ordens, acrescentando que se tal não acontecer a PSP tem o primeiro controlo, depois GNR, e depois segue-se a intervenção das forças armadas.

O representante da República disse que com a activação o Estado de Emergência os militares podem sair à rua, mas sublinhou que a população “não se deve assustar” porque é para protecção da população.

Ler mais
Recomendadas

Madeira atinge os 50 casos positivos de coronavírus

Esta semana termina a quarentena obrigatória para um primeiro grupo que cumpre o isolamento em unidade hoteleira. Neste sentido, foram já realizados 27 testes de rastreio à Covid-19 que aguardam resultado.

Cartões contactless com novo limite de 50 euros

Esta medida surge no âmbito da pandemia da COVID 19, procurando assim o Governo alargar e manter as recomendações de distanciamento social, incentivando-se os pagamentos “sem contacto”.

Linha de apoio a empresas da Madeira de 100 milhões de euros tem acesso universal

O início da operação será entre 20 e 24 de abril, e o período de vigência até 31 de dezembro de 2020. Se existir quebra de faturação de 40% e se as empresas mantiverem os postos de trabalho no período de carência de 18 meses o apoio transforma-se em fundo perdido.
Comentários