Encerramento noturno da Portela vai agravar pressão sobre o aeroporto e o turismo

As obras para expansão de capacidade do aeroporto Humberto Delgado deverão iniciar-se no início de janeiro e obrigarão ao encerramento no período noturno, entre as 23h30m e as 06h30m.

As obras de expansão de capacidade do aeroporto da Portela, que incluem o encerramento de uma das duas pistas existentes e a construção de saídas rápidas para os aviões, vão obrigar ao encerramento do aeroporto Humberto Delgado no período noturno durante seis meses, entre janeiro e junho.

A informação foi divulgada hoje, dia 19 de novembro, pelo CEO da easyJet Portugal, José Lopes, na conferência de imprensa de apresentação dos resultados da companhia aérea ‘low cost’ referentes ao ano fiscal terminado em setembro de 2019.

“A partir de janeiro, começam algumas obras no aeroporto Humberto Delgado, com encerramento noturno, entre as 23h30m e as 06h30m”, explicou o responsável da easyJet Portugal.

Questionado sobre se a companhia aérea tinha voos durante esta faixa horária, José Lopes respondeu afirmativamente, esclarecendo que “o que fizemos, devido aos constrangimentos normalmente existentes no espaço aéreo europeu, foi  tentar ‘puxar’ para mais cedo a operação dos voos que chegavam ou saíam até 45 minutos a uma hora antes da hora de encerramento”.

“Os que conseguimos os ‘slots’, ótimo, os que não conseguimos, tivermos de cancelar”, admitiu José Lopes, adiantando que a easyJet vai cancelar voos, neste caso, algumas frequências, na rota Lisboa-Lille.

“É oferta que Lisboa perde. Esperemos que o calendário das obras não se prolongue para que no verão de 2021 haja mais capacidade para libertar mais oferta, para podermos voltar a crescer, porque senão voltaremos a perder oportunidades que dificilmente voltarão, porque, como temos visto, existem mercados a Oriente e no Mediterrâneo que estão a crescer e a ser mais competitivos com o destino turístico de Portugal”, alertou o CEO da easyJet Portugal.

Diversos operadores do setor da aviação contactados pelo Jornal Económico consideram que o encerramento do aeroporto Humberto Delgado no período noturno durante seis meses, em particular em parte da época alta do verão, vai agravar ainda mais os constrangimentos atuais do aeroporto da portela, já considerado um dos piores a nível europeu em termos de índices de pontualidade.

Além da easyJet, outras companhias aéreas, como a TAP ou a Ryanair, – estas são as três transportadoras que mais utilizam mais o aeroporto da Portela – deverão anunciar em breve a supressão ou ajustamento horário de frequências ou rotas a partir do aeroporto da capital, uma cenário que os empresários ligados ao turismo, nomeadamente do setor hoteleiro, encaram com algum pessimismo.

As obras para expansão da capacidade do aeroporto da Portela incluem também a ampliação dos terminais e a construção de um novo terminal, a construção de uma nova torre de controlo e a reformulação do espaço aéreo da capital e da forma de aproximação à pista.

A primeira fase de expansão da capacidade do aeroporto Humberto Delgado está a cargo da concessionária ANA, detida pelo grupo francês Vinci, e está orçada em cerca de 650 milhões de euros.

Ler mais
Relacionadas

Dez erros da expansão do aeroporto da Portela

A sua expansão significa que o aeroporto se vai manter no centro da cidade nos próximos 50 anos, afetando o bem-estar e a saúde desta e das próximas duas gerações.
Recomendadas

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.

Lufthansa vai cortar mil empregos administrativos e reduzir novas aeronaves a metade

Como parte do plano de reestruturação, a companhia aérea anunciou que os cortes nos postos de trabalho vão incluir também os cargos administrativos e de gestão.

Crise no mercado de retalho deve ser pior do que crise de 2009

Quando a recuperação económica chegar, a publicação estima que esta seja lenta, uma vez que a maioria dos mercados afetados pela crise de 2008/2009 demorou perto de um ano até que as vendas retomassem a níveis pré-crise.
Comentários