PremiumEndesa de olho nas barragens da EDP

Nuno Ribeiro da Silva está atento aos ativos que a EDP vier a colocar à venda no mercado, incluindo as barragens, eólicas e redes de distribuição. O líder da Endesa critica o modelo da tarifa social em vigor.

Nuno Ribeiro da Silva lidera a Endesa Portugal desde 2005. Secretário de Estado da Energia e da Juventude em dois governos de Cavaco Silva, foi também deputado pelo PSD, e esteve no conselho de administração da Somague entre 1998 e 2005.

O presidente do grupo Endesa José Bogas disse recentemente que ia “analisar o plano
de desinvestimentos da EDP à procura de eventuais ativos de produção, como hidroelétricas em Portugal”. Como é que está este processo?

Quando há este tipo de movimentos, a Endesa olha, como a maior empresa elétrica da Península Ibérica. Além do mais, faz sentido estar atento a este tipo de oportunidades e de ativos. Neste pacote da EDP existe a componente que se integra nos nossos planos estratégicos futuros de mais renováveis, da estratégia de descarbonização e do roteiro da neutralidade carbónica. Isso faz todo o sentido. Ainda não se percebe bem quais são os termos, mas é um assunto que vamos olhando com atenção. Ainda não há dados objetivos sobre o que é preciso fazer. A Endesa tem declarado no plano industrial interesse em reforçar toda a componente que sejam tecnologias de baixo carbono e de baixas emissões no mix de geração. Mas uma coisa é certa: o que se tinha falado no portefólio da EDP em relação às centrais térmicas, carvão e gás, isso não tem sentido no quadro do compromisso e da estratégia que temos. No nosso compromisso da descarbonização, temos um plano de encerramento ou diminuição da atividade de centrais a carvão, de uma forma muito comprometida e assumida, inclusivamente numa situação desconfortável porque as centrais a carvão têm uma tradição com a Endesa, sendo que foram as primeiras centrais térmicas construídas no pós-guerra em Espanha, e tipicamente estas centrais estão associadas a minas e têm uma relevância regional [como na região das Astúrias].

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas
pedro-pardal-henriques

Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.

Adivinhar o futuro

É necessário o relançamento de uma política fiscal que favoreça a atividade empresarial, sobretudo que permita o incremento da competitividade.

Dividir Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft: o Oriente agradece

Atualmente, quando se pensa na divisão das megaempresas para ganhar terreno no plano concorrencial, não se pode pensar apenas no plano económico, também importa pensar no plano geopolítico.
Comentários