PremiumEndesa de olho nas barragens da EDP

Nuno Ribeiro da Silva está atento aos ativos que a EDP vier a colocar à venda no mercado, incluindo as barragens, eólicas e redes de distribuição. O líder da Endesa critica o modelo da tarifa social em vigor.

Nuno Ribeiro da Silva lidera a Endesa Portugal desde 2005. Secretário de Estado da Energia e da Juventude em dois governos de Cavaco Silva, foi também deputado pelo PSD, e esteve no conselho de administração da Somague entre 1998 e 2005.

O presidente do grupo Endesa José Bogas disse recentemente que ia “analisar o plano
de desinvestimentos da EDP à procura de eventuais ativos de produção, como hidroelétricas em Portugal”. Como é que está este processo?

Quando há este tipo de movimentos, a Endesa olha, como a maior empresa elétrica da Península Ibérica. Além do mais, faz sentido estar atento a este tipo de oportunidades e de ativos. Neste pacote da EDP existe a componente que se integra nos nossos planos estratégicos futuros de mais renováveis, da estratégia de descarbonização e do roteiro da neutralidade carbónica. Isso faz todo o sentido. Ainda não se percebe bem quais são os termos, mas é um assunto que vamos olhando com atenção. Ainda não há dados objetivos sobre o que é preciso fazer. A Endesa tem declarado no plano industrial interesse em reforçar toda a componente que sejam tecnologias de baixo carbono e de baixas emissões no mix de geração. Mas uma coisa é certa: o que se tinha falado no portefólio da EDP em relação às centrais térmicas, carvão e gás, isso não tem sentido no quadro do compromisso e da estratégia que temos. No nosso compromisso da descarbonização, temos um plano de encerramento ou diminuição da atividade de centrais a carvão, de uma forma muito comprometida e assumida, inclusivamente numa situação desconfortável porque as centrais a carvão têm uma tradição com a Endesa, sendo que foram as primeiras centrais térmicas construídas no pós-guerra em Espanha, e tipicamente estas centrais estão associadas a minas e têm uma relevância regional [como na região das Astúrias].

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Marques Mendes diz que CGD liderará sindicato bancário para financiar o Novo Banco

Luís Marques Mendes, revelou este domingo que a injeção do Fundo de Resolução no Novo Banco vai ser possível através do empréstimo de um sindicato bancário, que será liderado pela CGD. O comentador revelou que não houve qualquer conversa entre o BCP e o Governo para uma fusão com o Montepio. O JE confirmou que Miguel Maya não falou com João Leão sobre uma integração do Banco Montepio.

Premium“Construtoras nacionais apenas ficam com 20% das obras públicas”, diz bastonário da Ordem dos Engenheiros

O desinvestimento em pessoas e equipamentos ao longo dos últimos anos foi tão grande que apenas 20% das obras públicas lançadas ficam em empresas portuguesas, afirma Carlos Mineiro Aires.

Miguel Albuquerque diz que “a Madeira vai ultrapassar efeitos devastadores no turismo”

O presidente do Governo da Madeira mostrou-se este domingo convicto de que a região vai conseguir superar “mais este grande desafio” dos “efeitos devastadores” no setor do turismo provocado pela pandemia da covid-19.
Comentários