Endividamento da economia portuguesa subiu em fevereiro para os 723 mil milhões

Dos 723 mil milhões de endividamento, 322,4 mil milhões dizem respeito ao setor público, com 400,6 mil milhões a pertencerem ao setor privado, segundo o Banco de Portugal.

O endividamento da economia portuguesa atingiu os 723 mil milhões de euros em fevereiro. Este valor representa uma subida de 1,7 mil milhões face ao registado em janeiro.

Os dados sobre o endividamento do setor não financeiro foram divulgados esta terça-feira, 23 de abril, pelo Banco de Portugal (BdP).

Dos 723 mil milhões, 322,4 mil milhões dizem respeito ao setor público, com 400,6 mil milhões a pertencerem ao setor privado.

O aumento do endividamento em 1,7 mil milhões em fevereiro  foi provocado pelo endividamento do setor público (900 milhões), com os restantes 800 milhões a caberem ao setor privado.

A subida do endividamento no setor público “resultou, sobretudo, do aumento do endividamento face ao setor não residente em 1,1 mil milhões de euros, parcialmente compensado pela diminuição do financiamento concedido pelas empresas e pelas próprias administrações públicas”, segundo o BdP.

Já no setor privado registou-se um aumento do endividamento das empresas face ao exterior e ao setor financeiro em 600 milhões e em 200 milhões respetivamente.

Ler mais
Recomendadas

Bancos dão ordem para executar totalidade da Coleção Berardo

CGD, BCP e Novo Banco deram à execução penhores sobre 100% dos títulos de participação dados como garantia de créditos de mais de 900 milhões.

ASAE apanha talhos a vender carne falsificada e estragada

As principais infrações registadas foram o abate clandestino, a venda de produtos alimentares estragados ou falsificados e a fraude sobre mercadorias, tanto em talhos de rua como em superfícies comerciais.

Caixa Geral concedeu crédito de 125 milhões a Isabel dos Santos sem avaliar situação financeira

Caixa concedeu crédito sem avaliar a situação financeira da empresário. Crédito foi criticado pelo Banco de Portugal. Banco era liderado por Fernando Faria de Oliveira em 2009. Fonte próxima da empresária disse que o “crédito está em dia e grande parte já foi amortizado”.
Comentários