Endividamento da economia sobe 8,6 mil milhões até junho

Relativamente ao final de 2018, o endividamento do setor não financeiro [que abrange Estado, empresas públicas e privadas e famílias] aumentou 8,6 mil milhões de euros” nos primeiros seis meses do ano, informou hoje o Banco de Portugal (BdP).

Cristina Bernardo

O endividamento da economia aumentou 8,6 mil milhões de euros até junho, face a 2018, para 730 mil milhões de euros, mas o peso da dívida no PIB recuou para mínimos de 2010, divulgou hoje o Banco de Portugal.

Relativamente ao final de 2018, o endividamento do setor não financeiro [que abrange Estado, empresas públicas e privadas e famílias] aumentou 8,6 mil milhões de euros” nos primeiros seis meses do ano, informou hoje o Banco de Portugal (BdP).

O banco central explica que esta evolução resultou do aumento de 7,19 mil milhões de euros no endividamento do setor público e de 1,46 mil milhões de euros no endividamento do setor privado.

No total, “no final do primeiro semestre de 2019, o endividamento do setor não financeiro situava-se em 730,0 mil milhões de euros”, dos quais 328,9 mil milhões de euros respeitavam ao setor público e 401,1 mil milhões de euros ao setor privado, de acordo com a nota de informação estatística do BdP.

Os dados mostram que, em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB), o endividamento do setor não financeiro desceu de 357,6% no final do segundo trimestre para 355,2% no final de junho, o que corresponde ao rácio mais baixo desde o primeiro trimestre de 2010, quando o peso do endividamento no PIB ascendia a 350,9%.

Foi no segundo trimestre de 2013 que o rácio do endividamento do setor não financeiro no PIB atingiu o máximo de 430%, tendo vindo a descer desde então.

No que respeita ao aumento do endividamento do setor público até junho (mais 7,2 mil milhões de euros), o Banco de Portugal indica que “resultou, sobretudo, do acréscimo do endividamentoface às administrações públicas e ao setor não residente, que foi parcialmente compensado pela diminuição do endividamento face ao setor financeiro”.

Já no setor privado, o aumento do endividamento (de 1,5 mil milhões de euros) nos primeiros seis meses do ano, deveu-se sobretudo ao crescimento de 1,4 mil milhões de euros do endividamento das empresas, que refletiu o aumento do financiamento face ao setor financeiro e exterior.

Recomendadas

EUA: Powell reitera novamente apoio da Fed à retoma e aponta a “teste mais exigente” no capítulo laboral

O presidente da Fed voltou a reforçar o compromisso do organismo com o apoio à retoma nos EUA e, apesar de vários governadores do Comité da autoridade monetária verem já progresso suficiente no mercado laboral, esclareceu que pretende ver a economia passar “um teste mais exigente” neste capítulo.

Fed revê crescimento dos EUA em baixa e inflação em alta para este ano

A Reserva Federal estima que o crescimento real do PIB norte-americano seja menor do que os 7% estimados em junho, apontando agora para 5,6% em 2021, mas prevê que 2022 traga uma evolução do PIB mais favorável do que o calculado há três meses.

“Basta de destruir” o Fisco. Trabalhadores dos impostos fazem greve de 1 a 5 de dezembro

Em causa está o descontentamento dos trabalhadores contra a demora na regulamentação na carreira ou a perda de autonomia da Autoridade Tributária e Aduaneira, revela esta quarta-feira o STI.
Comentários