Endividamento da economia atinge novo recorde: 757,5 mil milhões de euros (com áudio)

O endividamento da economia aumentou quatro mil milhões de euros em maio face ao mês anterior. Dos 757,5 mil milhões de euros em maio, 346,4 mil milhões de euros respeitavam ao setor público e 411,1 mil milhões de euros ao setor privado.

O endividamento da economia aumentou para 757,5 mil milhões de euros em maio, um novo recorde histórico, com uma subida de quatro mil milhões de euros face ao mês anterior, revelam os dados publicados pelo Banco de Portugal (BdP) esta quarta-feira.

Dos 757,5 mil milhões de euros registados no quinto mês do ano, 346,4 mil milhões de euros respeitavam ao setor público e 411,1 mil milhões de euros ao setor privado. Comparativamente com o mês anterior, o aumento de quatro mil milhões de euros resultou de um aumentos de 2,5 mil milhões de euros do endividamento do setor público e de 1,5 mil milhões de euros do endividamento do setor privado.

De acordo com o regulador bancário, a subida do endividamento do setor público deveu-se, sobretudo, aos acréscimos registados no endividamento junto do setor financeiro (1,5 mil milhões de euros) e no endividamento perante o exterior (0,8 mil milhões de euros).

A instituição liderada por Mário Centeno explica ainda que “no setor privado, o endividamento das empresas privadas aumentou 1,0 mil milhões de euros, evolução explicada principalmente pelo financiamento obtido junto do exterior (0,7 mil milhões de euros)” e o “endividamento dos particulares aumentou 0,4 mil milhões de euros, refletindo o financiamento obtido junto do setor financeiro”.

Em maio de 2021, a taxa de variação anual (tva) do endividamento total das empresas privadas foi de 1,8%, menos 1,0 pontos percentuais (pp) do que o verificado no mês anterior, enquanto a tva do endividamento total dos particulares subiu 0,4 pp, para 2,3%.

Recomendadas

Levantamento de restrições e valorização da libra indicam recuperação do turismo britânico em Portugal

A fintech Ebury, especializada em pagamentos internacionais, diz que, tendo em conta a preferência dos portugueses por destinos de praia, os destinos mais vantajosos em termos cambiais são o Dubai (Emirados Árabes Unidos), as Caraíbas e Zanzibar, na Tanzânia.

Região do Alentejo espera aumentar produção de vinho até 10% este ano

Segundo as previsões da Universidade do Porto, a região vitivinícola do Alentejo estima aumentar a produção para 120 milhões de litros de vinho, contra os 113 milhões de litros produzidos no ano passado, o que já representou uma subida de 15% face a 2019.

Associações deixam comissão sobre estratégia dos cereais e culpam Governo

Em causa está a “evidente falta de compromisso” do Ministério da Agricultura em aplicar esta estratégia, sobretudo, após ter remetido às confederações um documento relativo às decisões sobre os pagamentos diretos 2022 da Política Agrícola Comum (PAC).
Comentários