Energia solar: BNZ quer alcançar capacidade instalada de 1 GW em Portugal, Espanha e Itália até 2024

Portugal, Itália e Espanha são mercados prioritários para a BNZ com um forte potencial de crescimento nas tecnologias de geração de renováveis como a solar fotovoltaica.

A gestora de fundos de energia limpa líder na Europa, Glennmont Partners, detida pela Nuveen, lança a BNZ, uma nova empresa produtora independente de energia (IPP), para desenvolver, construir e operar projetos solares fotovoltaicos no sul da Europa.

A BNZ diz em comunicado que pretende alcançar uma capacidade instalada de 1 GW em Portugal, Espanha e Itália até 2024, dos quais os 350 MW iniciais estão em avançada fase de desenvolvimento pela Glennmont.

“O principal objetivo da empresa é a produção de energia 100% renovável para contribuir para um futuro com baixas emissões de carbono, pelo que terá um foco na geração de energia solar fotovoltaica e com potencial para a expansão futura para outras tecnologias como o armazenamento de baterias e o hidrogénio”, avançam.

“A BNZ constituirá uma parte fundamental do portefólio de investimentos do Clean Energy Fund III da Glennmont e já obteve autorização para construir os seus primeiros projetos de energia solar fotovoltaica em cada um dos principais mercados”, avança a gestora de fundos.

Segundo Scott Lawrence, co-fundador da Glennmont Partners e membro do Conselho de Administração da BNZ, “O lançamento da BNZ representa o mais recente desenvolvimento da expansão da Glennmont no sul da Europa. Portugal, Itália e Espanha são mercados prioritários para a BNZ com um forte potencial de crescimento nas tecnologias de geração de renováveis como a solar fotovoltaica.

Recomendadas

Metro de Lisboa assina contratos de financiamento de 554 milhões de euros para novas linhas até Alcântara e Odivelas

Os investimentos serão financiados a 100% pelo PRR – Plano de Recuperação e Resiliência e ambas as extensões da rede deverão estar concluídas até 31 de dezembro de 2025.

CEO da RealFevr: “Mercado dos ativos digitais irá multiplicar-se por 30, 40 ou 50 vezes nos próximos anos”

Fred Antunes, CEO da startup portuguesa RealFevr, destaca em entrevista ao JE a enorme oportunidade que este mercado representa: “aquilo que estamos a viver hoje foi o mesmo que experienciámos em 1997, 1998 e 1999 com o surgimento da Internet”.

Mediadores imobiliários querem mais profissionalização para enfrentar desafios do sector

APEMIP tem, entre outras prioridades, o lançamento de um portal imobiliário de referência no sector e que considera ser essencial para o segmento dos mediadores imobiliários.
Comentários