Energia solar deverá tornar-se “rei” no mundo da eletricidade, aponta Agência Internacional de Energia

“Vejo o solar a tornar-se o novo rei dos mercados mundiais de eletricidade, apontou Fatih Birol, diretor-executivo da AIE. O responsável pela entidade aponta ainda que a energia solar deverá estabelecer novos recordes de implementação anuais após 2022.

A produção de eletricidade a partir da energia solar deverá liderar um aumento do fornecimento de energia renovável durante a próxima década, tornando-se o “rei” das renováveis, aponta a Agência Internacional de Energia (AIE), citada pela Reuters. Um relatório da AIE aponta que, na próxima década, as energias renováveis vão ser responsáveis por 80% do crescimento da eletricidade.

O relatório da AIE afirma ainda que as energias renováveis devem ultrapassar o carvão como a principal fonte de energia até 2025. Numa participação combinada entre solar fotovoltaico e eólico deverá aumentar 30% até 2030, sendo que a capacidade solar fotovoltaica deverá crescer a uma média de 12% ao ano.

“Vejo o solar a tornar-se o novo rei dos mercados mundiais de eletricidade”, apontou Fatih Birol, diretor-executivo da AIE, citado pela Reuters. O responsável pela entidade aponta ainda que a energia solar deverá estabelecer novos recordes de implementação anuais após 2022.

Para reduzir os custos de produção, que ainda são consideravelmente elevados, a tecnologia e os mecanismos de suporte deve estar interligados, de forma a reduzir os custos do financiamento para os principais projetos. Ainda assim, na maioria dos países que têm apostado nesta energia, a solar fotovoltaica tornou-se mais barata do que as novas centrais a carvão e a gás.

Com os confinamentos obrigatórios em quase todos os países, a produção do petróleo parou por completo, mas a geração de energia a partir de fontes renováveis foi a única fonte de energia que continuou a crescer em 2020, uma vez que não depende de mão humana, como o petróleo.

Apesar do aumento da implementação das energias solar e eólica, as emissões de carbono devem continuar a aumentar em 2021, após uma quebra de 2,4 gigatoneladas em 2020 devido à pandemia.

Ler mais
Recomendadas

AHRESP entende que proibição de circulação não se aplica às reservas feitas previamente

No entanto, porque persistem dúvidas sobre a interpretação desta norma, a associação da restauração e hotelaria garante que irá questionar a tutela sobre o assunto.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.
Comentários