Energias renováveis voltaram a dominar Portugal em 2020. Consumo de eletricidade em mínimos de 2005

Em ano de pandemia da Covid-19, marcado por períodos de confinamento generalizado, teletrabalho e crise económica, o consumo de eletricidade de famílias e empresas caiu 3,1% face a 2019.

As energias renováveis voltaram a dominar o consumo de eletricidade em Portugal no ano de 2020, abastecendo 59% do consumo de eletricidade das famílias e empresas no total do ano.

Segundo os dados hoje divulgados pela REN, este valor representa mais oito pontos percentuais face ao registado em 2019.

Apesar das renováveis terem voltado a dominar no mix de consumo energético, a produção em regime especial de energia renovável caiu 3,9% face a 2019.

Em 2020, a hidroelétrica e eólica pesaram 25% cada no consumo total de eletricidade, com a biomassa a pesar 7% e a solar fotovoltaica com 2,6%.

Por sua vez, a produção não renovável abasteceu 38% do consumo, com o gás natural a pesar 32% e o carvão a valer 4%.

O consumo de gás natural recuou 1,6% face a 2019 para um total de 66.900 gigawatts hora, com o segmento de consumo a cair 4,5%, enquanto o segmento de produção de energia subiu 3,8%.

Os restantes 3% do consumo total devem-se à compra de eletricidade a Espanha.

O ano de 2020 ficou também marcado por uma produção mais baixa na eólica e hidroelétrica face à média histórica: o índice de produtibilidade hidroelétrica situou-se em 0,97 (média histórica igual a 1) e o de produtibilidade eólica em 0,94 (média histórica igual a 1), segundo a REN.

Em ano de pandemia da Covid-19, marcado por períodos de confinamento generalizado, teletrabalho e crise económica, o consumo de eletricidade recuou para mínimos de 2005: 48.800 gigawatts hora, menos 3,1% face a 2019.

Ler mais
Recomendadas

Carlos Ribas: “Não fosse esta situação dos componentes e este ano seria o melhor de sempre em vendas da Bosch em Braga”

Bosch fechou 2020 com uma quebra homóloga de 10%, para 1,6 mil milhões de euros, nas vendas em Portugal. Em entrevista ao Jornal Económico o representante do grupo alemão em Portugal, Carlos Ribas, justifica o decréscimo com o impacto da pandemia nas operações, sobretudo na divisão automóvel em Braga.

Startup inspira-se num dos maiores IPO da Europa para expandir mercado dos cacifos inteligentes

A empresa portuguesa Bloq.it prepara-se para fechar este mês uma ronda de investimento ‘seed’ de 550 mil euros, disse ao Jornal Económico o cofundador João Lopes. Mais do que guardar malas, os cacifos que se abrem com QR code são uma mais-valia para o negócio das entregas.

Grupo de trabalho defende subida de taxa nas barragens da Engie no rio Douro

Três das barragens pagam atualmente 67 mil euros por ano, mas com uma atualização da taxa passariam a pagar 751 mil euros anuais. Parte da receita da taxa de recursos hídricos deve ser usada no “apoio de projetos no território” impactado pelas barragens, defende o documento.
Comentários