Enfermeiros vão ser obrigados a devolver descongelamento de dois mil euros

Apesar de agora só estarem abrangidos 190 enfermeiros, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses afirmou ao JN que esta devolução pode abranger um número superior a 20 mil profissionais do setor.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Perto de 200 enfermeiros estão a ser chamados às administrações dos hospitais onde trabalham para devolverem os aumentos salariais que resultaram do descongelamento das progressões nas carreiras da Função Pública, por ordem do Ministério da Saúde, avança o ‘Jornal de Notícias’ esta terça-feira, 15 de outubro.

Em causa, está o descongelamento iniciado em 2018, sendo que os enfermeiros vão ter de devolver 1.950 euros ao longo do próximo ano e meio. Trata-se de 150 euros mensais entre maio e setembro de 2019, 100 euros mensais entre setembro de 2018 e abril de 2018 e de 50 euros por mês entre janeiro e agosto de 2018.

Apesar de agora só estarem abrangidos 190 enfermeiros, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses afirmou ao JN que esta devolução pode abranger um número superior a 20 mil profissionais do setor. Ainda que vários hospitais já tenham notificado os trabalhadores, apenas quatro centros hospitalares vão avançar com o desconto este mês, sendo esses o Hospital de Trás-os-Montes e Alto Douro, Hospital de Guimarães, IPO do Porto e Hospital de Penafiel.

A Administração Central do Sistema de Saúde alega que o reposicionamento da tabela salarial dos enfermeiros, que ocorreu entre 2011 e 2015, contou como progressão e que agora a contagem por pontos, iniciada em 2004, deve ser reiniciada. Sem pontos disponíveis, os enfermeiros não são elegíveis para o descongelamento que se encontra em curso com o Orçamento de Estado de 2018, que os iria colocar a ganhar 1.400 euros no fim do ano.

Recomendadas

Salvador de Mello critica Serviço Nacional de Saúde “ao sabor dos ventos políticos e das mudanças de governo”

Presidente da José de Mello Saúde e do Health Cluster Portugal criticou medidas da nova Lei de Bases da Saúde e encerrou conferência em que “faltou” Marta Temido com apelo para que haja um Acordo Nacional de Saúde em Portugal.

Pneumonia: Várias regiões portuguesas com as taxas mais elevadas de mortalidade na Europa

Portugal encontra-se em destaque no mapa elaborado pelo Eurostat, com várias regiões portuguesas a registarem as taxas mais elevadas de mortalidade associadas à pneumonia em 2016.

Há menos médicos reformados a trabalhar no SNS

Num ano, SNS perdeu quase 100 médicos reformados, metade dos quais eram médicos de família. Adivinha-se nova diminuição este ano.
Comentários