Entidades públicas poupam milhares com ERP integrados

Implementar um ERP – Enterprise Resource Planning pressupõe um investimento inicial elevado. Mas a escolha certa poderá, ao longo do tempo, reduzir os custos operacionais.

São inúmeras as vantagens que um ERP – Enterprise Resource Planning oferece às organizações. Desde uma gestão mais eficiente dos custos operacionais, passando pelo reforço da eficácia do controlo de inventário, acabando num maior entrosamento entre departamentos e numa análise da situação económica da organização mais cuidada, um ERP é um facilitador da gestão de qualquer entidade .

Mas o investimento inicial é elevado e exige rigor na escolha deste software de gestão. Quanto mais integrado for este sistema, proporcionando mais serviços, mais eficiente e barato será ao longo do tempo.

Este será o raciocínio típico de um gestor de uma empresa privada que, logicamente, quererá cortar nos custos operacionais, libertando capital para outras atividades. No entanto, o Jornal Económico falou com entidades públicas que, no que diz respeito à implementação deste software de gestão integrado, parece terem pensado como um gestor de uma empresa privada, visando a obtenção da maximização dos recursos da forma mais eficiente possível.

Motor de inovação processual na AP

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDR Algarve) é um serviço público da administração direta do Estado, dotado de autonomia administrativa e financeira, cujos “objetivos estratégicos e operacionais (…) refletem a pluralidade das áreas de intervenção e dos destinatários do serviço público”, explicou Ana Lúcia Guerreiro, diretora de serviços de comunicação, gestão administrativa e financeira da CCDR Algarve.

“A utilização das TIC na Administração Pública constitui um instrumento essencial para a modernização administrativa, com o objetivo da gerar ganhos de eficiência, integração e disponibilização de serviços e antecipação de necessidades, funcionando na prática como um importante motor de inovação processual”, frisou esta responsável.

Entre 2009 e 2018, a CCDR Algarve realizou dois investimentos “[no] valor de 600 mil euros” destinados à implementação do ERP Singap, desenvolvido pela Quidgest, uma produtora de software portuguesa, um “sistema integrado de gestão que contempla as áreas de aprovisionamento e património, financeira e de recursos humanos”, disse Ana Lúcia Guerreiro.

A implementação do Singap permite  “potenciar a melhoria das decisões públicas e o desempenho organizacional” da CCDR, frisou.

A eficiência obtida pelo Singap na gestão dos recursos da CCDR e no apoio à tomada de decisão é “inegável”, sustentou a diretora da CCDR algarvia. “A organização melhorou o seu desempenho, melhorou a qualidade das decisões públicas, tornando-as mais coerentes e fundamentadas e potenciou o processo da modernização e simplificação administrativas”, garantiu.

Um ERP para onze unidades orgânicas

Caso semelhante ocorreu quando a Universidade Nova de Lisboa se tornou numa Fundação pública. Na altura, adotou o Singap, tendo sido “feita a passagem de vários ERP para um único – uma única base de dados, um único ERP integrado”, explicou Ana Rita Marante, diretora de serviços de apoio à Fundação da Universidade Nova de Lisboa.

“O objetivo era claro: ter todas as [onze] unidades orgânicas a operar com um mesmo sistema de informação”, frisou Ana Rita Marante.

Pelo Singap, a referida fundação  pagou cerca de 1,2 milhões de euros, como consta do portal base.gov.pt. Embora Ana Rita Marante não consiga ainda “avaliar com exatidão os impactos financeiros relativos à escolha de um único ERP”, antevê que, no futuro, as vantagens financeiras “são evidentes”.

Desde logo, “o licenciamento perpétuo do software, independentemente do número de utilizadores, não existindo custos associados à manutenção anual de licenças”, salientou esta responsável, assinalando que as vantagens financeiras no longo prazo vão mais além.

Existem no mercado outras soluções de ERP com preços variados. Por exemplo, a Universidade de Lisboa lançou um concurso público para a aquisição e implementação de um sistema integrado de gestão financeira e de recursos humanos. A Novabase venceu o concurso, com o contrato a ser celebrado em julho de 2015, por mais de dois milhões de euros tal como consta no portal base.gov.pt.

Ler mais
Recomendadas

Dois semestres em vez de três períodos

Escolas vão poder organizar o ano letivo como quiserem, desde que apresentem um plano de inovação e este seja aceite pelo Ministério da Educação. A autonomia avança.

Castro Marim na mira das Belas-Artes

Academia e autarquia juntas na preservação de património imaterial. Alunos da Universidade de Lisboa dão nova vida a artes tradicionais do concelho.

Técnico entra na revolução das comunicações

Portugal passou na prova e vai contribuir para o futuro das comunicações quânticas sem-fio. Europa quer liderar esta nova tecnologia e disponibiliza mil milhões para o seu desenvolvimento.
Comentários