ERSE propõe aumento de 0,8% nas tarifas reguladas de gás natural para as famílias

A documentação que sustenta a proposta tarifária da ERSE para o período de 1 de outubro de 2021 a 30 de setembro de 2022 é submetida a parecer do Conselho Tarifário (CT) e a consulta de algumas entidades. O CT deve emitir o seu parecer em 30 dias, cabendo depois ao regulador tomar a decisão final até 1 de junho.

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) propôs hoje um aumento de 0,8% nas tarifas de gás natural pata os clientes finais do mercado regulado, a partir de outubro e até setembro de 2022.

Em comunicado, o regulador indicou que os preços de venda de gás natural “a clientes finais do mercado regulado com consumos inferiores ou iguais a 10.000 m3/ano [metros cúbicos por ano” apresentam uma variação de 0,8% a partir de outubro.

“Apesar da redução da tarifa de acesso às redes, perspetiva-se uma subida no custo de aprovisionamento do gás natural, o que justifica o acréscimo nas tarifas transitórias de venda a clientes finais”, apontou a ERSE.

A documentação que sustenta a proposta tarifária da ERSE para o período de 1 de outubro de 2021 a 30 de setembro de 2022 é submetida a parecer do Conselho Tarifário (CT) e a consulta de algumas entidades. O CT deve emitir o seu parecer em 30 dias, cabendo depois ao regulador tomar a decisão final até 1 de junho.

Recomendadas

DECO junta-se ao REFIL para incentivar reutilização de embalagens

Apesar de já se encontrar previsto o comércio de bebidas em embalagens reutilizáveis e de produtos a granel, os consumidores ainda não beneficiam de um mercado que lhes permita adquirir, nestes moldes, produtos de limpeza e higiene pessoal, forçando-os a optar por novas embalagens e aumentando, assim, a sua produção de resíduos, colocando em causa as metas portuguesas da sustentabilidade.

Fim da isenção de ISV para ligeiros de mercadorias recebida com desagrado pela ACAP

A Associação Automóvel de Portugal recebeu com desagrado o fim da isenção do Imposto sobre Veículos de mercadorias a partir de julho, medida que aumentará os custos em cerca de 3 mil euros, apenas em ISV.

Portugal com 6.º preço de gasolina mais caro da UE no primeiro trimestre

A carga fiscal aplicada em Portugal (63%) justificou integralmente a menor competitividade dos preços, tendo praticado um valor superior à média registada na UE (60%), em Espanha (55%), na Alemanha (61%) e na Bélgica (62%).
Comentários