“Escapou”. Este é o momento em que o ministro do Ambiente confessa que o Governo esqueceu-se da taxa da celulose

Matos Fernandes confessou que se esqueceu de incluir a medida na proposta do OE 2020. O ministro garantiu que a medida será incluída na versão final do OE 2020, se o Bloco de Esquerda apresentar a proposta.

O ministro do Ambiente confessou esta semana no Parlamento que o Governo esqueceu-se de incluir a taxa sobre o setor da celulose na proposta de Orçamento do Estado para 2020.

“A taxa das celuloses, de facto, não tendo sido concretizada o ano passado, não consigo dizer de outra forma, escapou ao novo responsável das florestas na elaboração do Orçamento para este ano”, afirmou João Pedro Matos Fernandes na terça-feira na Assembleia da República.

“Não consigo dizê-lo com maior humildade que esta. Venha a proposta de vossa excelência, estamos muito bem a tempo, devia ter sido feita o ano passado e aí não me podem responsabilizar em nada em termos pessoais”, disse, em resposta à intervenção do deputado Nelson Peralta (Bloco de Esquerda).

“Venha a proposta e certamente que essa autorização legislativa será cumprida, sem qualquer esquecimento por parte do atual responsável por esta matéria”, garantiu João Pedro Matos Fernandes.

Na sua intervenção, o deputado bloquista apontou que a “taxa sobre as celuloses e atividades intensivas nas florestas ficou em caminho nenhum. Constava do orçamento do ano passado, não foi aplicada e desaparece agora do orçamento para 2020. Quando chegou o momento da fiscalidade verde chegar à indústria, ficou à porta. Há uma indústria que moldou o território do país aos seus interesses. Que desprotegeu o território e as populações perante os riscos da crise climática. Consideramos absolutamente inadmissível que esta taxa fique na gaveta. Propomos a sua criação. senhor ministro: esta taxa verá a luz do dia?”.

A medida foi aprovada no âmbito do Orçamento do Estado para 2019, mas não foi legislada no ano passado. Já no documento para 2020 acabou por desaparecer, conforme noticiou o jornal Público no final de dezembro.

No OE 2019, o Governo anunciava a criação de uma “contribuição especial para a conservação dos recursos florestais, com o objetivo de promover a coesão territorial e a sustentabilidade dos recursos florestais”.

Assim, o objetivo “estabelecer uma taxa de base anual a incidir sobre o volume de negócios de sujeitos passivos de IRS ou IRC que exerçam, a título principal, atividades económicas que utilizem, incorporem ou transformem, de forma intensiva, recursos florestais”.

 

Ministro do Ambiente diz que se esqueceu da taxa sobre as celuloses e pede ao Bloco para apresentar proposta

Recomendadas

Novo Banco contrata investigadores privados para seguir Nuno Vasconcellos

O Novo Banco tomou esta decisão para recolher informação e material que possa ser utilização em eventuais ações judiciais de cobrança de dívias que a Ongoing deixou por pagar em Portugal
Supermercados

Vendas do Grupo DIA caíram 9% em 2019, mas há uma tendência de mudança em Portugal

O grupo retalhista presente no mercado nacional garante sinais de inflexão de queda na operação em Portugal, mas não revela números.

Coronavírus: Ligações da Easyjet a partir de Portugal para Itália não serão afetadas por enquanto

A easyJet diz que, por enquanto, os voos da companhia entre Portugal e Itália não estão afetadas e que está a acompanhar o evoluir da situação no norte de Itália, onde o Covid-19 já matou 14 pessoas e infetou pelo menos 400.
Comentários