Escassez de matérias-primas e conflitos internacionais. Como os carros elétricos podem tornar-se um problema mundial

Estimativas mais conservadoras dizem que a procura de cobalto, necessária para as baterias destes automóveis, aumentará cinco vezes até 2030. Alguns duvidam que as reservas mundiais possam satisfazê-la e outros receiam que se possam desencadear conflitos internacionais.

A Comissão Europeia (CE) tem liderado a iniciativa desde o ano passado para promover “a liderança global da União Europeia (UE) no campo de veículos limpos”. O desafio é mais complicado ao que parece. Por um lado, é difícil posicionar a indústria automóvel europeia na frente da inovação e do desenvolvimento tecnológico. Por outro, reduzir até 40% das emissões de CO2 dos consumidores, até 2030, que é o compromisso assumido no Acordo de Paris (2015), está a revelar ser uma grande dificuldade., escreve o “El País”.

Os designados carros híbridos ou elétricos, estão cada vez mais a roubar uma fatia maior no mercado. Em Portugal, a tendência tem vindo a crescer notoriamente. As construtoras principais deste mercado e os governos estão cada vez mais à procura de maneiras de incentivar os consumidores a optarem pela solução mais ”verde”. As grandes cidades europeias já começaram a integrar no movimento: Inglaterra e França admitiram a intenção de proibir a venda de carros a diesel e gasolina a partir de 2040. Londres, Roma, Barcelona e Madrid estão a implementar medidas semelhantes para reduzir a poluição dos tubos de escape.

Todos esses incentivos públicos contribuirão para o aumento da procura dos carros elétricos, mas nada disso seria possível sem a nova geração de baterias de lítio. Os custos de fabricação dessas baterias são ainda maiores do que os custos da bateria de chumbo-ácido dos carros convencionais. No entanto, eles oferecem cada vez mais autonomia e vantagens, pois conseguem reduzir a poluição e os seus efeitos prejudiciais à saúde.

Eis a parte feia da história: As baterias de lítio, dependendo do modelo, integram entre 15% a 40% de cobalto (um elemento químico).

Os consumidores que conduzem carros elétricos, usam cerca de 26 quilos desse químico. Assim, não é surpreendente que nos últimos dois anos, o preço deste elemento por tonelada tenha mais que quadruplicado. E o preço não vai parar de subir. Estimativas conservadoras falam de um procura global que aumentará cinco vezes mais o seu preço, entre hoje e 2030. Alguns duvidam que essa procura possa ser satisfeita. As principais construtoras interessadas são a Tesla, BMW e a Volvo.

A República Democrática do Congo detém dois terços da produção mundial de cobalto. Foram exportadas, no ano passado, cerca de 64 mil toneladas. Logo a seguir, vem a Rússia que contabilizou 5.6 mil toneladas exportadas.

Tudo indica que este interesse pelo cobalto, pode-se tornar numa imensa fonte de riqueza para o país africano e um elemento chave no seu desenvolvimento.  Isto seria uma boa notícia, se a República Democrática do Congo não sofresse de conflitos evidentes no que toca aos recursos naturais. Alias, foi em 2003 que o país findou a Segunda Guerra do Congo, também conhecida pela Guerra Coltan, devido à importância desse mineral.

Esta problemática serve também para compreender não só a dinâmica do conflito na República Democrática do Congo, mas também na Colômbia, Venezuela, República Centro-Africana e Birmânia.

A União Europeia está ciente deste problema e no ano passado aprovou um regulamento que regulará o o comércio de minerais em zonas de conflito.

 

Ler mais
Relacionadas

Tesla inaugura sistema de estações de carga rápida em Alcácer do Sal

O novo ‘supercharger’ da Tesla fica localizado na Estrada Nacional 5 e conta com dez pontos de carregamento individuais. Este é o quinto ‘supercharger’ que se encontra em território nacional.
Recomendadas

PremiumFornecedores ganham margem negocial sobre grandes superfícies

Diploma impede distribuição de tirar de forma unilateral dinheiro de contas-correntes com fornecedores. “Era uma prática aberrante”, diz a Centromarca.

Jerónimo Martins apresenta queixa em Bruxelas por causa de taxa de segurança alimentar

A Direção-Geral da Alimentação e Veterinária reclama cerca de 20 milhões de euros ao grupo proprietário da cadeia de supermercados Pingo Doce

Fim da marca Jumbo. Grupo Auchan vai ter marca única de distribuição em Portugal

Pedro Cid, CEO da empresa retalhista francesa, assegura que esta mudança estratégica não se relaciona com a entrada da Mercadona em Portugal.
Comentários