Escolas da Madeira recebem tecnologia para leitura e escrita mais inclusiva

O protocolo envolve a Secretaria Regional da Educação e a Fundação PT e tem como objectivo uma maior inclusão de alunos com necessidades especiais através da introdução de kits em formatos acessíveis.

As escolas da Madeira vão receber soluções tecnológicas de acessibilidade às comunicações e à leitura e escrita inclusiva, no âmbito de um protocolo assinado entre a Secretaria Regional da Educação e a Fundação PT.

O protocolo visa uma maior inclusão de alunos com necessidades educativas especiais, que possuem limitações na audição, visão, oralidade, ou mesmo neuromotoras ou cognitivas. Entre essa oferta inclui-se a entrega de kits de livros e atividades em formatos acessíveis: Braille, Áudio, Digital, Língua Gestual Portuguesa, Leitura Fácil, Símbolos pictográficos e Negro Ampliado.

Este protocolo realiza-se no âmbito do projecto ‘Todos Podem Ler’, que abrange actualmente 16 estabelecimentos de ensino, e que possui cinco etapas de implementação.

Destas cinco etapas faltam completar duas que incluem, em 2018, as escolas EB1/PE do Lombo Segundo, EB1/PE/C de São Vicente, EB1/PE da Lourencinha e EB123/PE Bartolomeu Perestrelo, e em 2019, os estabelecimentos escolares EB1/PE do Estreito da Calheta, EB1/PE/C do Porto Moniz, EB1/PE de São Gonçalo e EB1/PE da Lombada – Funchal.

De referir que atualmente existem 20 estabelecimentos de ensino com equipamento informático facilitador da leitura e dos kits de livros em formatos acessíveis, e existem mais quatro escolas inscritas para integrar o projeto.

Recomendadas

Universidade da Madeira abre 635 vagas, Artes e Humanidades com maior oferta

O curso de Engenharia Informática é o que disponibiliza mais vagas. Para além das 635 vagas da Universidade da Madeira, é preciso acrescentar as ofertas da Escola Superior de enfermagem de São José de Cluny, que disponibiliza um curso, e também os cursos abertos pelo Instituto Superior de administração e línguas, que abre vagas em três cursos.

Madeira: BE diz que foi precursor da implementação do Orçamento Participativo

O grupo parlamentar do BE critica o PSD por ter rejeitado a proposta de Orçamento Participativo apresentada pelos bloquistas na Assembleia Regional, e o Governo Regional por indecentemente se ter apropriado de uma iniciativa que não é sua.

Cafôfo defende capacitação das pessoas no combate à pobreza

O candidato do PS diz não ser favorável ao assistencialismo, afirmando que “temos de criar um plano de intervenção para combate à pobreza e à exclusão, mas que possa capacitar as pessoas, de modo a que possam ter a dignidade que merecem de autogovernar-se”.
Comentários