Escolas vão ter mais seis milhões de euros para comprar material de protecção (com áudio)

A verba anunciada prevê, assim, a compra de máscaras para os alunos do primeiro ciclo do ensino básico. Podem ainda ser adquiridos equipamentos de protecção individual, bem como de produtos de desinfecção e limpeza – nomeadamente luvas e aventais laváveis e solução antissética de base alcoólica

O Ministério da Educação vai disponibilizar mais seis milhões de euros às escolas para comprarem material de protecção e segurança para o arranque do novo ano lectivo. De acordo com a nota divulgada,  o objetivo é voltar a garantir, como no ano letivo anterior, que dentro das escolas todos têm acesso a máscaras gratuitas.

Esta verba adicional serve para que sejam garantidas máscaras gratuitas a alunos, pessoal docente e não docente, durante o primeiro período do próximo ano letivo. O valor pode ser utilizado para comprar máscaras também para os alunos do primeiro ciclo do básico para quem as máscaras não são obrigatórias, mas cujo uso é recomendado pela DGS.

Para além dos equipamentos de protecção individual, o cheque vai permitir que sejam reforçados os produtos de desinfecção e limpeza – nomeadamente luvas e aventais laváveis e solução antissética de base alcoólica.

De acordo com uma auditoria do Tribunal de Contas, ao ensino à distância, revelada na semana passada, “as despesas orçamentais da Educação com a pandemia respeitaram, essencialmente, a equipamentos de proteção individual”: 3,5 milhões de euros gastos no ano letivo 2019-2020, depois do regresso dos alunos do Secundário às aulas presenciais em maio; e mais 11, 5 milhões de euros em 2020 e até 20 de janeiro de 2021. Em março, recorde-se o ME anunciou uma verba de 7 milhões de euros para o material de proteção no 3.º período.

Recomendadas

Covid-19: 180 mil professores e trabalhadores não docentes testados nas escolas

Segundo o Ministério da Educação, teve início esta segunda-feira, 20 de setembro, a segunda fase da operação de testagem que se prolonga até 1 de outubro e envolve os alunos do ensino secundário, seguindo-se os alunos do 3.º ciclo.

PremiumUniversidade Portucalense integra Gallaecia e quer chegar aos 5000 alunos em 2025

A estratégia passa pela captação de estudantes internacionais em vários mercados. Espanha, Brasil, PALOP estão no radar. Paralelamente, diversifica-se a oferta formativa e científica.

Como se reduz o défice de qualificações na sociedade portuguesa?

O défice de qualificações em Portugal é antigo, tem vindo a ser combatido e pode ser vencido a prazo. Uma antiga ministra do Ensino Superior e quatro responsáveis pelos destinos atuais da academia dão-nos o seu contributo com vista à solução do problema.
Comentários