Espanha mais perto de não ter de libertar água no rio Tejo para Portugal

O país vizinho está cada vez mais próximo de alcançar as condições para declarar o regime de exceção e não ter de cumprir os caudais mínimos no Tejo, isto é, não tem de libertar água para Portugal.

A 1 de dezembro vai chegar a confirmação, mas Espanha está prestes a reunir as condições para não cumprir caudais no rio Tejo devido à situação de seca que afeta os dois países.

Segundo o Jornal de Notícias, o país vizinho está mais perto de ver declarada a condição de exceção prevista na convenção de Albufeira, por os níveis de precipitação verificados até agora estarem abaixo dos níveis previstos.

Desta forma, Espanha fica liberta para não cumprir os caudais mínimos semanais na bacia do Tejo.

Nas duas últimas semanas de outubro, Espanha já não cumpriu os caudais no rio Tejo, segundo a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

O ministro do Ambiente negou no início do mês que exista um problema. “O rio Tejo não tem falta de água, ponto”.

Mas, entretanto, João Matos Fernandes já anunciou que quer reunir-se com o Governo espanhol de forma a renegociar os valores de descarga conforme acordados na Convenção de Albufeira.

Recentemente, Matos Fernandes anunciou que no verão de 2020 vai estar concluído o estudo prévio para uma nova barragem no lado português do rio Tejo.

Segundo o ministro, esta albufeira vai dar um contributo para reduzir a escassez do caudal pelo incumprimento das autoridades espanholas.

Tejo: Matos Fernandes promete estudo sobre barragem para o verão de 2020

Ler mais
Relacionadas

Tejo: Matos Fernandes promete estudo sobre barragem para o verão de 2020

“Se tivermos o estudo em junho, vamos ter de o discutir publicamente, mas quero acreditar que no outro OE [Orçamento de estado para 2021] já há verbas para o projeto”, garante o ministro do Ambiente.
Recomendadas

Reino Unido. Recessão de 14% poderá aumentar dívida pública em 400 mil milhões de libras

Numa perspetiva mais pessimista, a recessão poderá variar entre os 12,4% e os 14,3%, enquanto que num cenário mais otimista a queda poderá situar-se nos 10,6% e a dívida em 263 mil milhões de libras.

Estudo: 5,4 milhões de americanos perderam o seguro de saúde entre fevereiro e maio

O estudo da defesa do consumidor das famílias norte-americanas indica que o aumento estimado de desempregados sem seguro durante este período foi superior em quase 40% do que o aumento anterior, que ocorreu durante a recessão de 2008 e 2009.

Comércio entre países lusófonos e a China cai 12% nos primeiros cinco meses do ano

O Brasil continua a ser de longe o país lusófono com o maior volume de trocas comerciais com a China, garantindo mais de 80% dos bens transacionados, seguindo-se Angola, Portugal, Moçambique, Timor-Leste, Cabo Verde, Guiné Bissau e São Tomé e Príncipe.
Comentários