Espanhóis e escoceses estudam oportunidades na energia eólica marítima em Portugal

A Acciona e a SSE Renewables formaram um consórcio para a energia eólica marítima. A companhia escocesa SSE encontra-se atualmente envolvida na construção da maior central eólica marítima do mundo, no Mar do Norte.

Os espanhóis da Acciona e os escoceses da SSE Renewables uniram-se com o objetivo de estudar oportunidades na energia eólica marítima (offshore) no mar português.

“A Acciona e a SSE Renewables acabam de assinar um acordo de exclusividade para o desenvolvimento de projetos offshore de energia eólica em Espanha e Portugal. Ambas as empresas irão também explorar oportunidades conjuntas noutros mercados”, pode-se ler no comunicado divulgado esta terça-feira, 23 de fevereiro.

Este consórcio vai ser detida em partes iguais pelas duas companhias. O objetivo é combinar o conhecimento da Acciona como “promotora e operadora de instalações renováveis em Espanha e Portugal com as capacidades e conhecimentos especializados da SSE Renewables no desenvolvimento, construção e gestão abrangente de projetos offshore de referência global”, segundo o comunicado.

A SSE conta com vários projetos eólicos marítimos no Reino Unido e na Irlanda, num total de 487 megawatts em produção. Atualmente, conta com um portefólio de seis gigawatts de projetos em desenvolvimento.

A companhia escocesa encontra-se a construir a maior central eólica marítima do mundo: o Dogger  Bank Wind Farm (com 3,6GW), no Mar do Norte, juntamente com os noruegueses da Equinor.

Outro projeto em destaque é a central eólica marítima Seagreen (1,1 GW), a maior central offshore da Escócia, projeto desenvolvido em conjunto com a francesa Total.

Este acordo vai permitir à Acciona acelerar a sua “entrada no mercado eólico offshore, onde observamos um elevado potencial”, disse em comunicado Rafael Mateo, presidente executivo da Divisão de Energia da empresa espanhola.

Por se turno, a SSE Renewables congratulou-se com este acordo. ” A parceria com um dos principais atores no setor das renováveis em Espanha e Portugal permitir-nos-á colocar a nossa experiência em eólica  offshore ao serviço do objetivo de ambos os países de alcançar a neutralidade carbónica até 2050. Este acordo é um expoente da nossa estratégia em gerar um forte portfólio de projetos eólicos nos mercados internacionais”, segundo o presidente executivo Jim Smith.

Além do sector da energia, a Acciona está presente também no tratamento e gestão de água, transporte ecoeficiente e sistemas de mobilidade e infraestruturas.

Ler mais
Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.
Comentários