PremiumJoão Galamba: “Especialistas da Finlândia vão fazer levantamento da biomassa existente”

Portugal terá um mapa com todos os locais onde poderão ser instaladas centrais a biomassa. Há 320 milhões de euros para apoiar investimentos.

João Galamba explica como é que o Governo vai promover novas fontes de energia renováveis florestais. Em entrevista ao Jornal Económico, o secretário de Estado da Energia detalha como será a estratégia do Estado para fomentar os projetos da biomassa; como serão desenvolvidas as energias renováveis nos próximos anos; e como será feita a “reconversão” das centrais termoelétricas a carvão.

O Governo efetuou alterações legislativas relacionadas com a utilização da biomassa no sector da energia. De que forma é que o Estado pretende agilizar o setor da biomassa?

A nossa grande preocupação foi desenvolver uma visão integrada do sector das florestas e abordar a questão da valorização energética da biomassa florestal, que não esgota a valorização energética da biomassa – nem inclui a biomassa de resíduos de suiniculturas, ou de explorações agrícolas de outra natureza. Aqui, só estamos a falar da biomassa florestal. O nosso objetivo foi reafirmar a importância da valorização energética desta biomassa, garantindo que essa valorização acautela dois princípios: primeiro, a sustentabilidade da gestão da floresta e dos usos alternativos da biomassa, porque vamos privilegiar projetos que consigam demonstrar de forma cabal e objetiva circuitos de recolha e transporte de biomassa de base local, sustentáveis. Esse é o primeiro princípio que queremos afirmar.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPortugal vai triplicar verbas para ação climática

Economia circular, mobilidade elétrica, telemedicina e aproveitamento da água estiveram em debate na cimeira das cidades do futuro.

Premium“Construtoras nacionais apenas ficam com 20% das obras públicas”, diz bastonário da Ordem dos Engenheiros

O desinvestimento em pessoas e equipamentos ao longo dos últimos anos foi tão grande que apenas 20% das obras públicas lançadas ficam em empresas portuguesas, afirma Carlos Mineiro Aires.

PremiumFrancisco Ferreira: “A pandemia reforça e aumenta as desigualdades”

Uma diminuição das desigualdades só seria possível com políticas muito mais ambiciosas, diz o diretor do International Inequalities Institute. Para o brasileiro Francisco Ferreira, é muito difícil separar o que é mérito do que é o resultado da herança.
Comentários