Espionagem? Ao contrário dos EUA, Reino Unido não está preocupado com a chinesa Huawei

A descoberta surge apesar dos esforços dos EUA para persuadir os países a barrar a Huawei de suas redes, com base no fato de que isso poderia ajudar a China a realizar espionagem ou sabotagem cibernética.

Depois de os Estados Unidos terem desenvolvido uma série de ações para evitar que países aliados recorressem a tecnologia da chinesa Huawei, sob o pretexto que tal poderia ajudar Pequim em matéria de espionagem, um documento de um organismo de inteligência do Reino Unido, citado esta segunda-feira pelo “Financial Times”, indica que é possível mitigar o risco de usar equipamento Huawei em redes 5G, sem ter de barrar a Huawei nas suas redes.

O Centro Nacional de Segurança Cibernética do Reino Unido determinou que existem maneiras de minimizar os riscos de usar a Huawei em futuras redes 5G, sem que seja necessário impedir a atividade da Huawei no país ou a venda de aparelhos da tecnológica.

A NSA (sigla da agência de segurança nacional dos EUA) fez chegar aos países parceiros e aliados dos EUA, Reino Unido incluído, informação de que será perigoso em matéria de segurança nacional abrir portas ao uso de infraestruturas e tecnologia da Huawei. Mesmo assim, vários Estados europeus não estão convencidos e, por isso, têm desenvolvido estudos para retirar conclusões próprias.

Os EUA argumentam que o 5G será tão rápido – e terá tantas aplicações militares – que o perigo de usar qualquer equipamento de telecomunicações chinês é muito alto. As autoridades americanas também têm argumentado que, embora possa não haver evidências de atividades prejudicias até agora, a Huawei pode facilitar a espionagem por via de atualizações de software nos seus aparelhos e infraestruturas.

Recomendadas

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

UMinho cria app que alerta agricultores sobre mudanças climáticas

A instituição está a criar uma plataforma de suporte à tomada de decisão no setor da água, de modo a planear cenários de exploração agrícola e uso hídrico a médio e longo prazo.

Singularity Digital Enterprise colabora na base de dados digital da Fundação José Neves

O trabalho desta empresa portuguesa para a ferramenta de informação “Brighter Future” consistiu na análise de mais de 200 milhões de registos provenientes de mais de 2.500 fontes de dados diferentes.
Comentários