Esquerda e PAN unem-se para impor fim da prospeção de hidrocarbonetos

O Bloco de Esquerda, PCP, PEV e PAN alertam o Governo para os impactos económicos e ambientais da prospeção e produção de hidrocarbonetos e pedem a suspensão imediata dos contratos celebrados em Portugal, em vigor na região da Batalha e Pombal.

O Bloco de Esquerda (BE), o Partido Comunista (PCP), o Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) e o partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) exigem ao Governo que acabe com a prospeção e produção de hidrocarbonetos em Portugal. Os três parceiros da antiga “geringonça” e o PAN alertam para os impactos económicos e ambientais da prospeção e produção de hidrocarbonetos e pedem a suspensão imediata dos contratos celebrados.

Num projeto de resolução apresentado no final da semana passada pelo PCP, os comunistas pedem “o cancelamento dos contratos de exploração de gás e/ou petróleo existentes ou previstos para a região de Batalha (Alcobaça) e Pombal”, por considerarem que estes “visam os interesses das multinacionais, privatizam e alienam recursos nacionais e ameaçam a qualidade de vida das populações e o meio ambiente”.

“Enquanto não existir uma entidade pública com capacidade, meios humanos e técnicos, para realizar campanhas de prospeção e pesquisa sem para isso estar dependente das multinacionais mineiras, defendemos a reavaliação das atuais concessões e a suspensão de todos os lançamentos de novas licenças de prospeção e pesquisa”, defende o PCP.

Para o partido liderado por Jerónimo de Sousa, só a existência de uma empresa pública responsável pela prospeção e produção de hidrocarbonetos em Portugal “garantiria a salvaguarda do interesse nacional, impedindo as situações de autêntico saque que se registaram no passado e acabando com a promiscuidade entre público e privado”.

O projeto de resolução comunista vem juntar-se a outros três projetos de resolução (apresentados pelo BE, PAN e PEV) e dois projetos de lei (apresentados pelo BE e pelo PAN) que pedem também o fim dos contratos de prospeção e produção de hidrocarbonetos em Portugal, devido ao compromisso internacional para o combate às alterações climáticas e sustentabilidade social e aos custos “irrisórios” desses contratos para o Estado em termos económicos.

As cinco iniciativas legislativas estão a ser discutidas na comissão parlamentar de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território. Os projetos de lei apresentados pelo BE e PAN já receberam parecer favorável da comissão, dado que reúnem “os requisitos constitucionais, legais e regimentais” para ser apreciados e votados em plenário da Assembleia da República.

Atualmente, apenas as áreas da Batalha e Pombal (ambas no distrito de Leiria) têm contratos de prospeção e produção de hidrocarbonetos ativos e a decorrer, numa faixa litoral que se estende das Caldas da Rainha (Leiria) a Soure (Coimbra), a cargo da empresa Australis Oil&Gas.

A empresa australiana recebeu do Governo português, em 2015, as concessões da Batalha e de Pombal e, desde então, já investiu mais de 1,2 milhões de euros em estudos e pesquisa para perceber o potencial de exploração de petróleo na região. A Australis Oil&Gas pretende iniciar as primeiras perfurações na freguesia de Bajouca, em Leiria, e na freguesia de Aljubarrota, na Batalha.

Em dezembro, a autarquia de Leiria aprovou, por unanimidade, uma moção contra a prospeção e exploração de gás na Bajouca, considerando que os dois contratos em vigor “estão em contradição com a política energética que Portugal tem vindo a prosseguir na última década”.

Ler mais
Recomendadas

“União Europeia é exemplo de resposta positiva à pandemia”, defende Augusto Santos Silva

Participando na 4ª Conferência de Lisboa, o ministro dos Negócios Estrangeiros disse que as organizações mundiais da saúde e do comércio carecem de uma reforma profunda, sob pena de perderem eficácia.

Ex-ministro da saúde de Bolsonaro critica “frieza excessiva” do presidente na gestão da pandemia

O primeiro dos três ministros que Jair Bolsonaro já apontou para a pasta da saúde lançou um livro no qual aborda a gestão brasileira da pandemia, deixando fortes críticas à atuação do presidente.

OE 2021: Aumento de 20 euros do salário mínimo em cima da mesa

Proposta do executivo de António Costa para o aumento do salário mínimo poderá ser de menos 15 euros do que foi no ano passado, uma medida que não agrada ao Bloco de Esquerda que pede um crescimento de 35 euros, nem ao PCP que sugere uma subida de 215 euros.
Comentários