Esquerda pede apreciação parlamentar da nacionalização da Efacec. Quer evitar reprivatização

O Bloco de Esquerda e o PCP entregaram um pedido de apreciação parlamentar ao decreto-lei aprovado em Conselho de Ministros que nacionaliza os 71,7% detidos pela Winterfell. Os dois partidos querem evitar a menção ao “carácter temporário” da aquisição.

O Bloco de Esquerda e o PCP pediram a apreciação parlamentar do decreto-lei que aprovou a nacionalização da participação de Isabel dos Santos na Efacec. Nos pedidos entregues esta sexta-feira no Parlamento, ambos os partidos colocam em causa que a nacionalização dos 71,7% do capital adquirido da empresa seja de caracter temporário.

Esta quinta-feira, o Governo anunciou a nacionalização do capital detido pela Winterfell, sociedade detida pela empresária angolana, na Efacec, decisão já promulgada pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. “O Conselho de Ministros tomou esta decisão porque a Efacec está em situação de grande impasse acionista, na sequência do processo Luanda Leaks, foi decretado o arresto desta participação social”, afirmou ontem o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira.Porém, esta será uma aquisição de natureza transitória, uma vez que será aberto posteriormente o processo de reprivatização da posição agora objeto de intervenção pública.

É precisamente a possibilidade da reprivatização que os partidos à esquerda do PS colocam em causa. No pedido de apreciação entregue pelos bloquistas, pode ler-se que lamentam que “a defesa do interesse público seja apenas temporário e que a nacionalização da Efacec tenha como real objetivo preparar a empresa para ser vendida mais tarde, ”no mais curto prazo possível”.

“Isso mesmo está previsto no artigo 9o do Decreto-Lei, o que nos levanta as maiores reservas”, refere a justificativa, que acrescenta que “desde há muito que este grupo parlamentar defende o controlo público da Efacec, uma empresa que consideramos ter um valor económico e estratégico incontornável e que pode ser o motor da transição energética no país”.

Já o PCP sustenta que “mais do que resolver o problema dos bancos que têm créditos da Efacec como pretende o governo, o que é preciso é salvar a Efacec, garantindo-lhe liquidez para cumprir os seus compromissos – trabalhadores, fornecedores, investimento – e colocá-la ao serviço do País”.

“Para o PCP, a nacionalização definitiva da Efacec, resolvendo os problemas de tesouraria, garantindo os direitos dos trabalhadores, integrando-a no Sector Empresarial do Estado e num projeto de desenvolvimento nacional, é a solução que se impõe”, vincam, para justificar que “é neste sentido que o PCP promove a Apreciação Parlamentar do decreto-lei em questão para que a Assembleia da República possa impedir a futura reprivatização da Efacec”.

Bancos perdem 110 milhões de euros com nacionalização da Efacec

Ler mais

Relacionadas

PremiumBancos perdem 110 milhões de euros com nacionalização da Efacec

Estado pretende manter o processo de venda, aproveitando os interesses manifestados no atual concurso, mas no contexto de uma reprivatização.

Governo quer reprivatizar rapidamente a Efacec, mas venda exige caderno de encargos

A lei-quadro das privatizações não permite um processo de venda rápido da Efacec, apesar da intenção anunciada em Conselho de Ministros. A lei diz que a reprivatização deve ser preferencialmente feita através de concurso público, de oferta na bolsa de valores ou subscrição pública. O concurso público ou a venda direta exigem um prévio caderno de encargos. Venda da Efacec conduzida pela StormHarbour cai.

Luanda Leaks: Governo nacionaliza 70% do capital da Efacec

A medida foi hoje aprovada em conselho de ministros com o objetivo de salvaguardar 2.500 postos de trabalho devido ao “impasse acionista”. Ao mesmo tempo, o Governo deu início ao processo de reprivatização deste capital. “Não é uma intervenção de caráter duradouro, visa resolver o impasse acionista”, disse hoje o ministro da Economia. Decreto-lei já foi promulgado pelo Presidente da República.
Recomendadas

PAN lança ofensiva contra as carnes processadas nas escolas e na publicidade

Dois projetos de lei e um projeto de resolução apresentados nesta terça-feira pretendem limitar o acesso a produtos alimentícios como salsichas e enchidos, que ficariam proibidos nas escolas e com grandes limitações na publicidade televisiva e radiofónica.

Exportações de vinhos portugueses cresceram 3% nos primeiros dois meses de 2021

Apesar da subida geral, há a registar quebras em mercados como Espanha, França, Luxemburgo, Suíça, Reino Unido, Estados Unidos e Angola.

Três eurodeputados portugueses vão escrutinar aplicação da ‘bazuca’ europeia

Na lista, composta por 27 eurodeputados de diferentes países, estão o social-democrata José Manuel Fernandes e o bloquista José Gusmão, aos quais se junta a eurodeputada socialista Margarida Marques enquanto suplente. 
Comentários