PremiumEstá-se bem na Páscoa com cabrito assado

Está-se na Páscoa e a Páscoa, entre outras iguarias, exige cabrito à mesa. Com as restrições sanitárias e legais em curso, os restaurantes tentam dar a volta ao texto e chegar a casa dos consumidores da melhor forma possível.

Está-se na Páscoa e a Páscoa, entre outras iguarias, exige cabrito à mesa. Com as restrições sanitárias e legais em curso, os restaurantes tentam dar a volta ao texto e chegar a casa dos consumidores da melhor forma possível. É o que em boa hora decidiu fazer a portuense Taberna Está-se Bem, que criou um ‘Menu de Páscoa’, em que o cabrito, neste caso em vácuo, pode ‘viajar’ pelo país para fazer as delícias dos mais variados comensais nesta época festiva. De referir que o Está-se Bem em Casa é o nome do serviço de entregas ao domicílio e takeaway nascido na Taberna Está-se Bem.

“Vem diretamente de Trás-os-Montes para ser confecionado de forma tradicional e embalado em vácuo pelo Está-se Bem em Casa. A partir do Porto, o típico cabrito da Páscoa vai chegar a qualquer localidade de Portugal continental pronto a finalizar em 15 minutos e acompanhado de um menu completo, em que não falta o Pão de ló húmido”, explica um comunicado do restaurante.

Lá porque este ano, a exemplo de 2020, regressar às origens para celebrar a Páscoa em família volta a estar fora dos planos, não é caso para desanimar e abdicarmos dos sabores mais típicos da nossa gastronomia e esquecermos as honoráveis cozinhas de aldeia. “Para permitir matar saudades e manter a tradição, sem perder horas na cozinha, o Está-se Bem em Casa (Porto) criou um menu especial pré-confecionado e embalado em vácuo, que precisa apenas de uns minutos de finalização em casa”, asseguram os responsáveis desta casa.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumMão de obra migrante é chave no agroalimentar

Trabalhadores estrangeiros são cruciais para o sector e são necessárias políticas de integração mais eficazes, defendem especialistas.

Jorge Coelho: “Quando era miúdo o meu avô comprava queijos da Serra e depois ia a Lisboa vendê-los”

O político e ex-governante passava dois dias por semana em Mangualde, a terra que nunca deixou. Morreu esta quarta-feira, mas o seu percurso – e os seus queijos – continuarão a ser uma referência. Histórias que partilhou com o Jornal Económico em março de 2017, na Serra.

CAP pede profissionalismo na gestão dos fundos comunitários

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal, Eduardo Oliveira e Sousa, manifestou esta quarta-feira preocupação com a execução do Portugal 2020 e pediu reforço do profissionalismo na gestão dos fundos comunitários.
Comentários