Estado da nação: António Costa distancia-se de despacho de Eduardo Cabrita que autorizou festejos do Sporting

Pergunta da deputada centrista Cecília Meireles teve direito a uma “resposta telegráfica” do primeiro-ministro que garantiu não ter tido conhecimento prévio do documento que foi assinado pelo ministro da Administração Interna.

Primeiro-ministro António Costa a chegar ao debate do Estado da Nação | Cristina Bernardo

O primeiro-ministro distanciou-se do despacho do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, que a 10 de maio autorizou a celebração da conquista do título de campeão de futebol pelo Sporting, depois de a deputada do CDS-PP, Cecília Meireles, lhe ter perguntado durante o debate sobre o estado da nação, que está a decorrer na Assembleia da República, se o ministro “assinou esse despacho à sua revelia ou com o seu conhecimento”.

“Não conhecia o despacho e não dei instruções”, garantiu o primeiro-ministro, numa “resposta telegráfica” que lhe tinha sido pedida pela deputada centrista, que tinha levantado a hipótese de Eduardo Cabrita ter permitido, à revelia de pareceres em contrário, os festejos do clube – associados ao aumento da incidência de casos de Covid-19 -, que incluíram concentração de pessoas e a instalação de um ecrã gigante junto ao Estádio de Alvalade e um cortejo do autocarro da equipa até à rotunda do Marquês de Pombal, com o conhecimento ou seguindo mesmo instruções de António Costa.

“Isso explicaria que o ministro ainda hoje seja ministro, perante a perplexidade do país”, dissera antes Cecília Meireles, que também questionou o primeiro-ministro sobre a reinstitucionalização da Casa do Douro, garantida pela ministra da Agricultura como prevista para o terceiro trimestre deste ano, “fazendo letra morta” de um acórdão do Tribunal Constitucional. Nesse ponto, António Costa respondeu que esteve em causa uma iniciativa parlamentar [permitida pelos grupos parlamentares do PS e do PCP], em que o Governo não teve intervenção.

Por último, a deputada centrista questionou as prioridades do Plano de Recuperação e Resiliência no que toca à fatia dedicada às empresas, após António Costa ter dito na intervenção inicial no debate parlamentar que além dos 30% dedicados à iniciativa privada o sector empresarial também beneficiará dos contratos lançados pela Administração Pública.

Cecília Meireles disse que o Governo irá beneficiar “empresas que sabem mexer-se bem nos corredores do poder”, naquilo a que disse corresponder a uma “visão profundamente clientelar da economia e do que deve ser o desenvolvimento económico que é natural quer no país quer no PS”. Perante isso, António Costa limitou-se a dizer que tal visão “seria tão disparatada que nem a mim me ocorreria”.

Relacionadas

Estado da Nação: Esquerda e PEV destacam SNS e trabalhadores. PAN acusa Governo de “negacionismo”

O Bloco de Esquerda quer que o Governo estenda apoios sociais. O PCP volta a insistir no aumento do salário mínimo para 850 euros. O PAN referiu ainda casos polémicos tal como a divulgação de dados à Rússia, a detenção de ativistas forçadas a despirem-se e a morte de Ihor Homeniuk.  

Estado da Nação: PSD considera que o Governo “apresenta-se cansado e desgastado”

Para o deputado social democrata se o Governo não é capaz de reerguer o país “nos tempos de provação”, então também “não o fará bem nos tempos de libertação. Durante o debate sobre o Estado da Nação o PSD criticou o Governo pelo SNS e dinheiro do PRR atribuído às empresas.

Estado da nação: António Costa anuncia que “está tudo preparado” para a vacinação das crianças com mais de 12 anos antes do início do ano letivo

Debate parlamentar arrancou com o primeiro-ministro a apresentar prioridades de Portugal que passam pela vacinação contra a Covid-19 e pela recuperação económica e social do impacto da pandemia. “Há que aproveitar as oportunidades irrepetíveis”, disse António Costa.
Recomendadas

Bolsonaro antecipa fraude eleitoral e Tunísia a caminho da ditadura. Veja “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Acompanhe o programa “A Arte da Guerra” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Estado ainda não apurou ajudas indevidas na Zona Franca da Madeira

Em dezembro de 2020, a Comissão Europeia concluiu que o regime III da Zona Franca da Madeira, que vigorou entre 2007 e 2013, desrespeitou as regras de ajudas estatais, pois abrangeu empresas que “não contribuíram para o desenvolvimento da região”, indicando que Portugal tinha de recuperar os apoios irregularmente prestados.

‘Handling’ é de interesse público mas não significa salvaguardar acionista da Groundforce, diz Siza Vieira (com áudio)

Questionado sobre se o setor do turismo e hotelaria pode estar confiante de que não acontecerão novas paralisações, o ministro da Economia disse julgar que “estão criadas as condições para que isso não suceda”.
Comentários