Estado da nação: Catarina Martins diz que Matos Fernandes, Eduardo Cabrita e Ana Mendes Godinho são ministros “cujos mandatos se arrastam” (com áudio)

Coordenadora do Bloco de Esquerda disse que a manutenção dos ministros do Ambiente, da Administração Interna e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social é um sinal negativo num momento em que o Governo de António Costa inicia um novo ciclo político.

Tiago Petinga/LUSA

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, apontou Matos Fernandes, Eduardo Cabrita e Ana Mendes Godinho como “ministros cujos mandatos se arrastam sem capacidade de fazerem as mudanças necessárias”. Na segunda ronda de intervenções do debate sobre o estado da nação, que está a decorrer nesta quarta-feira na Assembleia da República, a ex-parceira de ‘geringonça’ do anterior executivo de António Costa pôs em causa a capacidade de iniciar o próximo ciclo político mantendo o atual elenco governativo.

Na avaliação de Catarina Martins, o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, está “marcado pelo descrédito devido à transigência com a fraude da EDP no negócio das barragens”, enquanto sobre Eduardo Cabrita referiu que “desde o inexplicável silêncio sobre o assassinato de Igor Homeniuk [imigrante ucraniano que foi morto quando estava detido nas instalações do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras no aeroporto de Lisboa] o ministro da Administração Interna já só se livra de um caso quando se mete noutro”.

Por último, sobre Ana Mendes Godinho, a coordenadora do Bloco de Esquerda sentenciou que a “ministra da Segurança Social acumula confusões e omissões nos apoios aos trabalhadores afetados pela crise”.

Admitindo que os analistas dirão que “governar em pandemia provoca desgaste”, Catarina Martins defendeu que a “única forma de compensar esse desgaste é impor sempre o critério do interesse público e responder ao pais que ouve incrédulo relatos dos grandes devedores da banca que assaltam os cofres do Estado”.

Interpelada de seguida pelo deputado Tiago Barbosa Ribeiro, elemento da ala esquerda do PS que é candidato à Câmara do Porto, o qual a desafiou a dizer se o Bloco de Esquerda “continua cético” quanto ao caminho iniciado em 2015 ou está disponível “para construir o futuro”, a coordenadora bloquista sugeriu que Barbosa Ribeiro terá “sofrido com algumas votações que tem feito neste Parlamento”.

“Como e que é um deputado que defende com tanta força os direitos dos trabalhadores se sentiu quando votação contra a contratação coletiva proposta pelo Bloco de Esquerda?”, perguntou Catarina Martins, enumerando o que considera serem momentos em que o PS fez “poucochinho” para defender rendimentos e postos de trabalho no contexto da pandemia de Covid-19.

Relacionadas

Estado da nação: António Costa distancia-se de despacho de Eduardo Cabrita que autorizou festejos do Sporting

Pergunta da deputada centrista Cecília Meireles teve direito a uma “resposta telegráfica” do primeiro-ministro que garantiu não ter tido conhecimento prévio do documento que foi assinado pelo ministro da Administração Interna.

Estado da Nação: PSD considera que o Governo “apresenta-se cansado e desgastado”

Para o deputado social democrata se o Governo não é capaz de reerguer o país “nos tempos de provação”, então também “não o fará bem nos tempos de libertação. Durante o debate sobre o Estado da Nação o PSD criticou o Governo pelo SNS e dinheiro do PRR atribuído às empresas.

Estado da Nação: Esquerda e PEV destacam SNS e trabalhadores. PAN acusa Governo de “negacionismo”

O Bloco de Esquerda quer que o Governo estenda apoios sociais. O PCP volta a insistir no aumento do salário mínimo para 850 euros. O PAN referiu ainda casos polémicos tal como a divulgação de dados à Rússia, a detenção de ativistas forçadas a despirem-se e a morte de Ihor Homeniuk.  
Recomendadas

Bruxelas tem 12 milhões de euros para apoiar os media e já abriu candidaturas (com áudio)

Bruxelas quer apoiar os media de forma a “estimular uma esfera pública viva e diversificada” na União Europeia. A verba agora disponibilizada divide-se em quatro tipos de apoios diferentes à comunicação social, desde projetos multilingues a redes de comunicação para os mais jovens.

Comissão Europeia fecha contrato com Novavax para 100 milhões de doses de vacinas (com áudio)

“Reforça ainda mais o nosso vasto portefólio de vacinas, em benefício dos europeus e dos nossos parceiros em todo o mundo”, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen sobre o acordo com a farmacêutica norte-americana.

‘Handling’ é de interesse público mas não significa salvaguardar acionista da Groundforce, diz Siza Vieira (com áudio)

Questionado sobre se o setor do turismo e hotelaria pode estar confiante de que não acontecerão novas paralisações, o ministro da Economia disse julgar que “estão criadas as condições para que isso não suceda”.
Comentários