Estado da União: A estreia de Von der Leyen com pandemia como pano de fundo

O Parlamento Europeu é hoje palco do discurso sobre o Estado da União, o primeiro proferido pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o primeiro realizado em Bruxelas, devido à covid-19, o tema incontornável este ano.

DR AFP/Getty Images

Inaugurado pelo antigo presidente do executivo comunitário José Manuel Durão Barroso, em 2010, o discurso do Estado da União tornou-se o ‘cartaz’ da sessões plenárias de setembro, a de ‘rentrée’ depois das férias de verão, sendo a oportunidade de o executivo comunitário e os eurodeputados discutirem os grandes desafios e prioridades para os 12 meses seguintes.

Este ano, o debate será inevitavelmente marcado pela pandemia da covid-19, que mergulhou a Europa na maior crise desde a II Guerra Mundial, e que continua bem presente, como o demonstra o facto de, pela primeira vez, o Estado da União não ter lugar em Estrasburgo.

A decisão, mal acolhida pelas autoridades francesas, foi tomada na semana passada pelo Parlamento Europeu em virtude de a região do Baixo Reno ter sido classificada como ‘zona vermelha’, ou de alto risco de contágio. Estrasburgo já não acolhe uma sessão plenária desde fevereiro, o último mês de ‘normalidade’ na Europa até à chegada da pandemia.

Além das medidas para dar resposta à crise sanitária, económica e social causada pela covid-19 e o plano de recuperação para a Europa proposto por Bruxelas e acordado pelos líderes europeus em julho passado, Von der Leyen – em funções desde dezembro de 2019 – deverá também abordar no seu discurso matérias como o combate às alterações climáticas e política de migração e asilo.

Após a intervenção inicial da presidente da Comissão, os líderes das diferentes bancadas políticas e outros eurodeputados farão uma avaliação do trabalho do executivo comunitário e discutirão com Von der Leyen as prioridades da UE para os próximos 12 meses.

O Estado da União terá lugar a partir das 09:15 de Bruxelas, 08:15 de Lisboa.

Recomendadas

Pelosi escolhe críticos de Trump para investigar ataque ao Capitólio dos EUA

A líder democrata da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, anunciou hoje que vai nomear vários republicanos, incluindo críticos de Donald Trump, para a comissão encarregada de investigar o ataque ao Capitólio.

Macron pressiona Israel devido a inquérito ao Pegasus

Por sua vez, a NSO, empresa responsável do Pegasus, explicou que que o facto de um número constar da lista não indica de forma alguma que esse número tenha sido selecionado para ser espiado pelo software israelita.

PremiumChuvadas na Alemanha prestes a inundar eleições de setembro

Com a extrema-direita a insistir na visão populista da tragédia climática e os Verdes a evidenciarem estar do lado certo do problema, o sucessor de Merkel na CDU, Armin Laschet, dificilmente podia ter sido mais desastrado num encontro com familiares das vítimas.
Comentários