Estado estará insatisfeito com acionista privado da TAP e procura comprador para a posição

Lufthansa e United Airlines estão em cima da mesa para parceiros da companhia aérea nacional, avança o “Expresso”.

Os maus resultados da TAP estão a ser mal recebidos pelos acionistas, nomeadamente o Estado (que detém 50% da companhia aérea portuguesa), o que pode pressionar a saída do privado David Neeleman, avança a edição deste sábado do “Expresso”.

Segundo o semanário do grupo Impresa, os prejuízos de 120 milhões de euros no primeiro semestre de 2019 aumentaram a pressão entre o Governo e o empresário que, com Humberto Pedrosa, têm uma posição de 45% da TAP, através da Atlantic Gateway.

Apesar de ser “um nó que poderá levar anos a desatar”, a alemã Lufthansa e a norte-americana United Airlines estão em cima da mesa para serem os novos parceiros privados da transportadora aérea nacional. Contudo, para a Lufthansa, a TAP aporta o risco de retirar o hub de Lisboa e a United Airlines não pode ter mais de 49,9% por não ser europeia.

Nos primeiros seis meses deste ano, a TAP registou prejuízos acumulados de 120 milhões de euros. O EBIT (resultado operacional) da companhia na primeira metade deste ano atingiu os 85 milhões de euros negativos, um desempenho pior em 39,2 milhões de euros que no período homólogo do ano anterior.

Segundo a administração da TAP, este comportamento ficou a dever-se “à fraca ‘performance’, registada no primeiro trimestre, já que o segundo trimestre registou um valor positivo de 16,4 milhões de euros (um aumento de 14,5 milhões de euros face ao mesmo período de 2018)”.

Relacionadas
TAP Portugal

TAP regista prejuízos de 120 milhões no primeiro semestre

Quebra nas receitas com o Brasil e aumento de custos de pessoal foram alguns dos motivos que geraram este resultado negativo.
Recomendadas

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.

Grupo Os Mosqueteiros investe 25,3 milhões para abrir mais seis lojas Intermarché em Portugal

Este investimento irá permitir a criação de 265 novos postos de trabalho de norte a sul do país, asseguram os responsáveis do grupo francês de distribuição.

Tribunal espanhol adia audições dos responsáveis do CaixaBank sobre compra do BPI

Segundo a agência Efe, problemas técnicos impediram a audição telemática do presidente da Criteria e ex-presidente do CaixaBank. O julgamento que está em curso desde 2018 decorre de uma queixa de acionistas minoritários que se sentiram lesados com algumas operações inerentes à compra do BPI em 2017.
Comentários