Estado ganhou mais de 15 mil trabalhadores em 2019

O número de funcionários públicos voltou a subir no ano passado, estando atualmente nos 698.522, um crescimento de 2,2% face a dezembro de 2018.

O Estado português ganhou mais de 15 mil funcionários públicos no ano passado, totalizando agora 698.522. Este número representa um aumento de 2,2% face a dezembro de 2018, de acordo com os dados divulgados pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) esta sexta-feira, 14 de fevereiro.

“Em termos homólogos, o emprego apresentou um aumento de 2,2% (mais 15.305 postos de trabalho),distribuído essencialmente entre a administração central (2,3% correspondente a mais 11.658 postos de trabalho) e a administração local (2,0% correspondente a mais 2381)”, indica a síntese estatística da DGAEP.

A maior parte do crescimento do emprego verificou-se nas áreas da saúde e educação, incluindo o ensino superior. “O aumento de emprego concentra-se essencialmente nas Entidades Públicas Empresariais (E.P.E) do Serviço Nacional de Saúde (6.701), nos estabelecimentos de investigação e ensino superior (2.710) e nos estabelecimentos de ensino básico e secundário (1.171)”, revela o documento.

No que diz respeito aos casos das E.P.E. do Serviço Nacional de Saúde, “o aumento decorre em parte da integração do Hospital de Braga no universo das entidades das administrações públicas (mais de 2.869 postos de trabalho), o que se repercute ainda no maior número de trabalhadores nas carreiras da área da saúde”, sublinha o documento.

Recomendadas

Covid-19: Mais de 530 mil pessoas vacinadas na região Centro

João Paulo Rebelo falava no âmbito de uma visita que realizou aos concelhos do Fundão e da Covilhã, no distrito de Castelo Branco, e que também contou com a presença do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, e da secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira.

“Governo beneficia casinos mas esquece os trabalhadores”, diz federação intersindical

A Federação intersindical do setor do turismo exige medidas de apoio aos trabalhadores dos casinos, depois do Executivo ter decidido isentar estes estabelecimentos do pagamento do imposto de jogo e prolongado as concessões dos casinos de Lisboa, Estoril e Figueira da Foz, que terminaram a 31 de dezembro de 2020. FESAHT acusa o Governo: “aos patrões do jogo dá tudo, tudo, aos trabalhadores dá nada, nada”.

EUA: Produção industrial sobe pelo segundo mês seguido, apesar de constrangimentos no sector automóvel

A indústria norte-americana beneficiou com a reabertura de várias fábricas dos estados do sul afetados pela tempestade de fevereiro, mas a indústria automóvel penalizou o resultado final, com uma queda de 4,3% na produção a refletir as dificuldades causadas pelos atrasos no fornecimento de chips.
Comentários