Estado ganhou mais de 15 mil trabalhadores em 2019

O número de funcionários públicos voltou a subir no ano passado, estando atualmente nos 698.522, um crescimento de 2,2% face a dezembro de 2018.

O Estado português ganhou mais de 15 mil funcionários públicos no ano passado, totalizando agora 698.522. Este número representa um aumento de 2,2% face a dezembro de 2018, de acordo com os dados divulgados pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) esta sexta-feira, 14 de fevereiro.

“Em termos homólogos, o emprego apresentou um aumento de 2,2% (mais 15.305 postos de trabalho),distribuído essencialmente entre a administração central (2,3% correspondente a mais 11.658 postos de trabalho) e a administração local (2,0% correspondente a mais 2381)”, indica a síntese estatística da DGAEP.

A maior parte do crescimento do emprego verificou-se nas áreas da saúde e educação, incluindo o ensino superior. “O aumento de emprego concentra-se essencialmente nas Entidades Públicas Empresariais (E.P.E) do Serviço Nacional de Saúde (6.701), nos estabelecimentos de investigação e ensino superior (2.710) e nos estabelecimentos de ensino básico e secundário (1.171)”, revela o documento.

No que diz respeito aos casos das E.P.E. do Serviço Nacional de Saúde, “o aumento decorre em parte da integração do Hospital de Braga no universo das entidades das administrações públicas (mais de 2.869 postos de trabalho), o que se repercute ainda no maior número de trabalhadores nas carreiras da área da saúde”, sublinha o documento.

Recomendadas

Programa Edifícios Mais Sustentáveis: “uma oportunidade com algum risco”, alerta Deco

Há um novo apoio para quem quer fazer obras ou comprar equipamentos para melhorar a eficiência energética em casa. Com uma dotação de 4,5 milhões de euros para 2020 e 2021, Programa de Apoio a Edifícios mais Sustentáveis” já atingiu um milhão de euros em pagamentos em 521 candidaturas validadas. Mas o reembolso não é garantido, alerta a Deco.

AEP critica novas medidas de confinamento

A Associação Empresarial de Portugal diz que “estamos perante um combate com impactos cada vez mais assimétricos”, que só vai ser agravado “com o ónus de dispensar os seus trabalhadores nos dias 30 de novembro e 7 de dezembro”.

Covid-19: Federação intersindical alerta para perda de “muitos postos de trabalho” na informação médica

O aumento do recurso a meios digitais na visitação de hospitais por profissionais da indústria farmacêutica pode levar “à perda de muitos postos de trabalho”, alerta a Fiequimetal, numa reunião com a Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares (APAH), que, diz Federação Intersindical, partilha esta preocupação.
Comentários