Estado Islâmico reivindica ataque em Las Vegas

O Estado islâmico reivindicou a autoria do ataque de domingo à noite em Las Vegas, reclamando que o atacante se havia convertido ao islamismo “há poucos meses”.

Em comunicado, a Amaq, agência do Estado Islâmico, reivindicou recentemente a autoria do ataque do passado domingo em Las Vegas, que resultou na morte de mais de 50 pessoas e em 400 feridos.

“O ataque de Las Vegas foi feito por um soldado do Estado Islâmico em resposta ao pedido para atacar países da coligação”, dizia o comunicado, citado pela Reuters.

O mesmo comunicado explica que “o atacante de Las Vegas converteu-se ao islamismo há poucos meses”, justificando assim a ligação deste incidente à jihad.

Recorde-se que o atirador já foi identificado como sendo Stephen Paddock, de 64 anos, um cidadão dos EUA com um registo criminal “limpo” e sem qualquer laço conhecido com qualquer grupo militante.

Uma vez que Paddock se suicidou antes de a polícia poder entrar no quarto onde se havia barricado, as forças da ordem afirmaram não possuir qualquer tipo de informação sobre porque havia cometido aquele que é, até à data, o pior ataque do género em solo americano, suplantando o massacre de Orlando, em 2016, que vitimou mortalmente 49 pessoas.

Segundo a Reuters, fontes governamentais afirmaram que o nome de Stephen Paddock não estava em nenhuma base de dados de suspeitos de terrorismo.

Ler mais
Relacionadas

Las Vegas: Algoritmo da Google aponta para site que identifica de forma errada o atirador

Numa pesquisa no Google sobre o atirador de Las Vegas, surge o nome de Geray Danley no site 4chan, associado à alt-right e conhecido por colocar em circulação notícias falsas.

Ataque em Las Vegas faz 58 mortos

Um homem de 64 anos disparou sobre a multidão que assistia a um festival nas imediações de um casino em Las Vegas, causando a morte a 20 pessoas e ferindo mais de 100. A polícia já abateu o responsável.
Recomendadas

Inés Arrimadas: uma cidadã a dirigir o Ciudadanos

Nasceu na Andaluzia, mas foi na Catalunha que se tornou politicamente conhecida dos espanhóis. Chegou a ganhar as eleições para a Generalitat mas não conseguiu formar governo. Não vai ter concorrência à liderança do partido que Albert Rivera abandonou.

Portugal vê defesa europeia como reforço e não alternativa à NATO

Portugal encara e participa na Política Europeia de Segurança e Defesa com o objetivo de reforçar o pilar europeu da NATO e não de substituir a Aliança Atlântica, afirmou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros.

Kylie Jenner vende 51% do seu império de cosmética por 543 milhões de euros

“Juntas, Coty e Kylie, irão definir e liderar a direção estratégica da parceria, com foco na expansão global e entrada em novas categorias de beleza”, lê-se no comunicado conjunto das duas empresas.
Comentários