Estado paga anualmente à Altice 2,6 milhões de euros pelas comunicações do SIRESP

Francisco Gomes, um dos elementos do grupo de trabalho, afirmou que anualmente é pago pelas transmissão à Altice Portugal 2,6 milhões de euros, sendo este valor revisto e “não é sempre o mesmo”.

O Estado paga 2,6 milhões de euros anualmente à Altice Portugal pelas comunicações do SIRESP, avançou hoje no parlamento o grupo de trabalho criado pelo Governo sobre o futuro da rede de emergência nacional.

A pedido do PCP, o grupo de trabalho criado pelo Governo para apresentar as soluções tecnológicas para as comunicações de emergência em Portugal a partir de 1 de julho de 2021, quando termina o atual contrato do SIRESP, está a ser ouvido na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

Respondendo a uma questão colocada pela deputada do PSD Emília Cerqueira sobre os custos das comunicações, Francisco Gomes, um dos elementos do grupo de trabalho, afirmou que anualmente é pago pelas transmissão à Altice Portugal 2,6 milhões de euros, sendo este valor revisto e “não é sempre o mesmo”.

Francisco Gomes adiantou que este valor foi renegociado em 2015, quando foi assinado o atual contrato.

O valor anual de 2,6 milhões está relacionado com o fornecimento da rede de transmissão deste sistema.

Relacionadas

Alexandre Fonseca diz que relatório sobre o SIRESP demonstra “profundo desconhecimento”

Presidente da Altice Portugal deixa críticas ao relatório do grupo de trabalho sobre o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP), que recomenda que o Governo faça alterações de fundo na rede SIRESP.

Estado tem de gastar até 25 milhões de euros para melhorar SIRESP

O Estado precisa de fazer um investimento de até 25 milhões de euros para tornar o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) mas seguro, moderno e menos dependente dos privados, revela o “Público” na edição desta quinta-feira. A conclusão é de um grupo de trabalho do Instituto de Telecomunicações que, […]
Recomendadas

Como vai ser o novo lay off? Conheça todas as medidas

O ministro da Economia Pedro Siza Vieira apresentou a proposta de flexibilização deste instrumento que, em agosto, substituiu o ‘lay off’ simplificado. As empresas com quebras de faturação homólogas entre 25% e 40% vão poder recorrer ao apoio à retoma progressiva.

Exclusivo JE: Fecho do negócio de saída de David Neeleman da TAP concluído hoje

Três meses depois de ter sido anunciada a sua saída, esta quinta-feira estão a ser assinados os contratos que formalizam a saída do empresário norte-americano da companhia aérea portuguesa.

Mais cheetos, doritos e sumos na quarentena. PepsiCo aumenta receitas para 15 mil milhões de euros

Apesar da reabertura da economia e do regresso à escola, os consumidores mantêm-se mais resguardados e as crianças e jovens com aulas online, o que motivou o crescimento das vendas. As ações do grupo norte-americano estão a subir na bolsa de Nova Iorque.
Comentários