Estado pode travar venda das barragens da EDP

Ministério do Ambiente e Transição Energética ainda não terá sido formalmente informado sobre a intenção de venda destes ativos.

O Estado português poderá travar o processo de venda das barragens da EDP – Energias de Portugal porque a operação só pode ser feita com a autorização expressa “do concedente”, escreve o jornal “Expresso” na edição deste sábado, 14 de setembro.

“A transação da utilização do domínio público hídrico, em todos os contratos de barragens em Portugal, só pode ser efetuada com o consentimento expresso do concedente, a saber, o Estado. Essa autorização é apreciada caso a caso e apenas após solicitação do interessado”, explicou ao semanário fonte oficial do Ministério do Ambiente e Transição Energética.

A EDP pretende vender ativos no valor de 2 mil milhões de euros nos dois países ibéricos nos próximos anos, segundo o plano estratégico da elétrica portuguesa. Entre os convidados para a apresentação de ofertas vinculativas estão a espanhola Iberdrola, a francesa Engie, a austríaca Verbund, a norueguesa Statkraft e o fundo australiano Macquarie.

Neste momento, a empresa liderada por António Mexia está à espera da entrega de ofertas vinculativas, que devem ocorrer até ao final do mês, mas a mesma fonte do gabinete de João Pedro Matos Fernandes indica ao “Expresso” que o Governo ainda não foi formalmente informado da intenção de venda das barragens.

PremiumEndesa de olho nas barragens da EDP

Ler mais
Recomendadas

Cerca de 60 pessoas em protesto contra o fecho dos CTT no Monte de Caparica

Cerca de 60 pessoas protestaram hoje contra o fecho do único posto de correios no Monte de Caparica, em Almada, no distrito de Setúbal, afirmando que vão “lutar até ao fim” para que permaneça na freguesia.

A senhora que se segue no Turismo é Rita Marques, atual CEO da Portugal Ventures

Rita Marques lidera a Portugal Ventures, entidade que resultou da fusão de três Sociedades de Capital de Risco em Portugal – AICEP Capital, InovCapital e Turismo Capital.

Porsche quer SIVA a crescer para 30 mil carros vendidos por ano “a médio prazo”

“Estamos muito orgulhosos por conseguirmos concluir esta operação”, que ficou fechada a 15 de outubro, revelou em conferência de imprensa Hans Peter Schützinger, CEO da Porsche Holding Salzburg.
Comentários