Estado vai arrecadar mais 210 milhões com receita do IRS

No próximo ano, o Estado vai arrecadar mais 210 milhões de euros com receitas de  IRS, segundo a proposta do OE2021 entregue nesta segunda-feira no Parlamento, num Orçamento que prevê um aumento da receita fiscal de 7%, contrariando a forte erosão prevista para este ano que deverá resultar na entrada de menos 5.011 milhões de euros nos cofres do Estado.

Cristina Bernardo

A receita dos impostos vai ficar 2.839 milhões de euros acima do que está estimado para este ano, em que se prevê uma forte redução da receita. Para este acréscimo de receita, o IRS contribuirá com mais 210 milhões de euros, num total de 13.420 milhões de euros deste imposto que deverão entrar nos cofres do Estado em 2021, segundo a proposta do OE2021 que deu entrada no Parlamento nesta segunda-feira, 12 de outubro.

“Em 2021, prevê-se que o valor de receita fiscal em sede de IRS ascenda a 13.420 milhões de euros, o que corresponde a um aumento de 2% face à estimativa de execução para 2020”, avança o documento, dando conta de que “esta evolução reflete uma perspetiva de redução da taxa de desemprego, associada a um crescimento do salário mínimo e da massa salarial, tanto no setor público como no setor privado”.

Segundo o Executivo, “deverá destacar-se ainda que, para 2021, as tabelas de retenção na fonte serão ajustadas, permitindo assim uma maior disponibilização de rendimentos às famílias em cerca de 200 milhões de euros”. No próximo ano, o contributo da receita de IRS será, assim, superior ao acréscimo de apenas 39 milhões de euros que o Governo prevê para 2020.

A receita fiscal deverá ascender a 43.850 milhões de euros, contra a estimativa de 41.011 milhões de euros em 2020. Ou seja, mais 2.839 milhões de euros (mais 7%).

O crescimento da receita fiscal no próximo ano contrasta com a diminuição prevista para 2020, com menos 5.011 milhões de euros em impostos que entrarão nos cofres do Estado, num total de receita de 41.011 milhões de euros que está prevista para este ano, contra 46.023 milhões de euros registados em 2019.

 

Ler mais

Relacionadas

OE 2021: Novo apoio social chega a domésticos e independentes e varia entre 50 e 501,16 euros

Apoio extraordinário ao rendimento de trabalhadores afetados pela Covid-19 será pago durante 12 meses aos trabalhadores por conta de outrem, incluindo do serviço doméstico e independentes cuja prestação de proteção no desemprego termina após a data de entrada em vigor do OE. E durante seis meses, seguidos ou interpolados, para os restantes trabalhadores afetados pela pandemia, segundo a proposta de OE2021, entregue no Parlamento.
TAP Portugal

OE 2021: Governo reserva 500 milhões para a TAP no próximo ano

O Governo prevê injetar a totalidade dos 1.200 milhões de euros este ano na companhia aérea. Para o próximo ano, vai por de parte 500 milhões.

Governo prevê que Fundo de Resolução precise de 468,6 milhões de euros para injetar no Novo Banco

A proposta de Orçamento do Estado para 2021 inclui um montante, a título de empréstimo a médio longo prazo, de 468,6 milhões de euros para o Fundo de Resolução nacional, o que representa uma queda de -45,8% face ao valor registado no OE2020 (865,1 milhões).

OE2021: Governo reforça cuidados de saúde primários com montante até 90 milhões de euros

A medida está inscrita na proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) entregue esta segunda-feira pelo Governo na Assembleia da República, e servirá para melhorar instalações e equipamentos e permitir meios complementares de diagnóstico e terapêutica nos hospitais públicos.
Recomendadas

OE2021: “Tempos de implementação” do ‘IVAucher’ serão objeto de avaliação específica

O ‘IVAucher’ é uma das soluções desenhada pelo Governo para estimular o consumo em três dos setores com quebras significativas na atividade em consequência da pandemia de covid-19, prevendo-se que a totalidade do IVA pago pelos consumidores nas despesas em hotéis, restaurantes e atividades culturais realizadas num trimestre, seja abatido em consumos realizados nos mesmos setores no trimestre seguinte.

FMI: “Medidas de apoio são essenciais para garantir o crescimento a médio prazo” na Europa

Diretor do Departamento Europeu do FMI defendeu que os países europeus “têm de fazer o que for preciso para conter a pandemia”, mas também que os países devem ter planos para o médio prazo. Recordou a importância de políticas no apoio à liquidez das empresas, bem como de assegurar que as empresas insolventes, mas viáveis, podem continuar ativas.

Futuro da água, advocacia de negócios, vinhos de Portugal e muito mais: conheça os Especiais do JE em novembro

Os cadernos Especiais e os Suplementos do Jornal Económico são produtos multiplataforma – em papel, online e vídeo – que combinam jornalismo de qualidade com potencial comercial e chegam a uma audiência superior a um milhão de leitores e telespectadores, que compram a edição em papel ou visitam o nosso site todos os meses.
Comentários