Estado vai renegociar com a ANA para incluir oleoduto no aeroporto do Montijo

O ministro das Infraestruturas garantiu que vai ser construído um ‘pipeline’ entre Aveiras de Cima e o aeroporto Humberto Delgado, para evitar a dependência desta infraestrutura do abastecimento por camionistas.

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, revelou ontem, dia 9 de setembro, à noite, em entrevista ao programa ‘Tudo é Economia’, da RTP3, que o Governo pretende renegociar o contrato de concessão com a ANA para incluir no projeto para o aeroporto do Montijo a construção de um oleoduto para abastecimento de combustível àquela infraestruturas, caso ela seja autorizada pela APA – Agência Portuguesa do Ambiente.

O [aeroporto do] Montijo não estava no contrato negociado com a ANA, mas teremos de reabrir esse ‘dossier’, porque não faz sentido nenhum um novo aeroporto não ter também a ligação em oleoduto, para não ficar dependente. E porque é mais limpo, ambientalmente mais seguro fazer o transporte [de combustível] em oleoduto do que estarmos com centenas de camiões”, justificou o governante.

Esta revelação confirma uma notícia avançada pelo Jornal Económico em primeira mão no passado dia 2 de agosto.

De acordo com essa notícia, “se for construído tal como está previsto neste momento, o futuro aeroporto do Montijo só terá autonomia de combustível para três dias”.

“Segundo o resumo não técnico do estudo de impacto ambiental desta infraestrutura, que desde o início desta semana está disponível no site oficial da APA – Agência Portuguesa do Ambiente, “no aeroporto Montijo está prevista uma área de armazenamento de combustíveis para o abastecimento de aeronaves, designada por Grupo Operacional de Combustíveis (GOC), constituída por três tanques de Jet-A1 [combustível específico para os aviões] com uma capacidade nominal de 2.750 metros cúbicos, cada (até 2042); três reservatórios de AvGas, de 30 metros cúbicos, cada; e dois reservatórios de ‘defuelling’ (Jet A1), de 30 metros cúbicos, cada”.

A questão da autonomia de abastecimento de combustível foi colocada com as greves convocadas pelos motoristas de matérias perigosas, nomeadamente em abril e em agosto passado.

Pedro Nuno Santos reconhece que “vai ser sempre difícil” solucionar esta questão.

“Vamos conseguir resolver o problema de abastecimento do aeroporto [Humberto Delgado] porque vamos avançar com a construção de um oleoduto para o aeroporto [desde Aveiras de Cima]. Desse ponto de vista, é sempre a estrutura crítica, que tem reservas que duram poucos dias, e que será resolvida”, garantiu o ministro das Infraestruturas.

No entanto, o governante considera que “será sempre muito difícil resolver aquilo que é a distribuição de combustível para uma rede com elevado nível de capilaridade por todo o território”.

“Verdadeiramente, eu diria que nós temos, de forma crescente, de fazer a migração da rodovia para a ferrovia. Tenho-me batido muito pela ferrovia de pessoas, de mercadorias, mas também no transporte de combustível. Ainda agora a Autoeuropa decidiu recorrer à ferrovia [para transporte dos automóveis produzidos na fábrica de Palmela para o porto de Setúbal]”, salientou.

Pedro Nuno Santos adiantou ainda que “o porto de Leixões está em contacto com a PSA em Mangualde para que o mesmo passe a acontecer: a PSA de Mangualde usa camiões; para poder passar a usar a ferrovia, quando tivermos a linha da Beira Alta já em pleno funcionamento”.

“Portanto, nós temos de fazer essa migração. E, depois, temos um grande desafio que o país tem de vencer, que é o da transição energética. Sabemos que o problema de séculos do país, que não está resolvido é o desequilíbrio da sua balança externa. Há muitas formas. Esse é um grande debate. Mas uma das componentes que pesa mais nas nossas importações são os combustíveis fósseis, que nós não temos cá. A transição energética cumpre vários objectivos. Um deles é diminuir a dependência do transporte rodoviário e de combustíveis”, defendeu o ministro das Infraestruturas.

Sobre a possibilidade de construção de um oleoduto para o aeroporto de Faro, Pedro Nuno Santos foi mais cauteloso.

“Não está ainda estudada essa possibilidade [de oleoduto]. O transporte de combustível para o aeroporto de Faro é feito em ferrovia até ao Algarve, e depois é transportado por camião. É uma deslocação menor, mas ela ainda é feita. Esse caso será mais difícil porque tem menos consumo do que tem o [aeroporto] Humberto Delgado, mas obviamente que nós também temos que encontrar a prazo, no futuro, uma resposta para o aeroporto de Faro. Estamos a falar de um investimento maior para um aeroporto com menos actividade”, alertou o ministro das Infraestruturas.

 

Ler mais
Relacionadas

TGV volta à discussão: ligar Lisboa-Porto em “pouco mais de uma hora” é ambição de Pedro Nuno Santos

Ministro das infraestruturas diz que o primeiro objetivo é fazer ligação ferroviárias entre as duas maiores cidades do país em menos de duas horas.

Pedro Nuno Santos: sem Montijo aprovado, “país vai ter um pagamento astronómico”

Ministro das Infraestruturas assumiu, ontem à noite, em entrevista ao programa ‘Tudo é Economia’, da RTP3, que a partir deste ano o aeroporto Humberto Delgado vai passar a rejeitar pedidos de voos por estar saturado em termos de capacidade.
Recomendadas

Hotel da Barrosinha abre portas em Álcacer do Sal num investimento de cinco milhões de euros

Dispondo de 37 quartos standard, que inclui um quarto totalmente adaptado para pessoas com mobilidade reduzida e oito quartos comunicantes, e ainda duas suites, o Hotel da Barrosinha aposta na proximidade ao ritmo da natureza.

Ministro do Ambiente afirma que processo do lítio em Montalegre é “cristalino”

João Pedro Matos Fernandes afirmou que “é óbvio” que os argumentos das populações são importantes, bem com os das autarquias”, e lembrou que durante a avaliação de impacto ambiental vai decorrer uma consulta pública.

Novo Banco confirma que a venda carteira de malparado Nata II foi autorizada pelo Fundo de Resolução

O banco confirma assim a notícia avançada hoje pelo Jornal Económico. O Novo Banco já registou nas contas a venda da carteira de malparado ao fundo Davidson Kempner.
Comentários