Estados Unidos retiram Sudão da lista dos países que promovem terrorismo

“Esta conquista foi possível graças aos esforços do governo de transição liderado por civis do Sudão para traçar um novo rumo ousado para longe do legado do regime de Bashir”, garantiu Mike Pompeo.

A decisão dos EUA de remover o Sudão de uma lista estatal de terrorismo entrou em vigor esta segunda-feira, segundo o secretário de Estado Mike Pompeo, eliminando um fardo que pesava sobre a economia do Sudão desde 1993 e restringia a sua capacidade de receber ajuda.

“Esta conquista foi possível graças aos esforços do governo de transição liderado por civis do Sudão para traçar um novo rumo ousado para longe do legado do regime de Bashir e, em particular, para atender aos critérios estatutários e políticos para rescisão”, referiu Pompeo em comunicado a que a “Reuters” teve acesso.

Por sua vez, o primeiro-ministro sudanês, Abdalla Hamdok apontou que “fomos libertados do bloqueio global ao qual fomos forçados pelo comportamento do regime que foi demitido”. “Essa conquista contribui para as reformas económicas, atraindo investimentos e remessas por meio de canais oficiais, criando novas oportunidades de emprego para os jovens e muitos outros aspetos positivos”, frisou Abdalla Hamdok.

A medida é um incentivo para as autoridades de transição que assumiram posse depois de o presidente Omar al-Bashir ter sido dispensado no ano passado. Em outubro, o presidente Donald Trump assegurou que reabilitaria o Sudão, dias antes de anunciar que Israel e o Sudão pretendiam normalizar as relações.

Os Estados Unidos colocaram o Sudão num lista de terrorismo em 1993 sob o argumento de que o regime de Bashir estava a abrigar grupos militantes, incluindo a Al-Qaeda, o Hamas e o Hezbollah. Os EUA conseguiram isolar o Sudão da assistência financeira e dos investimentos, e do sistema bancário global.

Nos últimos meses, O Sudão esteve envolvido em negociações com os Estados Unidos e pagou um acordo negociado de 275,62 milhões de euros às vítimas dos ataques da Al-Qaeda às embaixadas dos EUA na África Oriental em 1998, que tinham recebido indenizações muito maiores pelos tribunais norte-americanos.

Ler mais
Relacionadas

Israel e Marrocos concordam em normalizar relações diplomáticas

Israel e Marrocos convergiram num acordo mediado pelos Estados Unidos, tornando Marrocos no quarto país árabe a deixar de lado as hostilidades com Israel nos últimos quatro meses. A Frente Polisário é a moeda de troca.

Relatório indica que zonas de guerra são palco quase exclusivo do terrorismo

“Os talibãs continuaram a ser o grupo terrorista mais letal em 2019”, disse o IEP, mesmo se o balanço das vítimas nos atentados reivindicados por este grupo baixou 18%.
Recomendadas

PremiumNicolas Sarkozy: Retalhos da vida e obra (judicial) do mais acusado presidente da 5.ª República

Inúmeros casos abertos pelo Ministério Público francês têm o nome do antigo chefe de Estado enquanto figura de destaque. O político que chegou a ensaiar o regresso à atividade política em 2016 é acossado por todos os lados. E tornou-se o primeiro ex-presidente a quem um tribunal reserva pena de prisão efetiva.
Olivier Dassault

Político e bilionário francês Olivier Dassault morre em queda de helicóptero

Neto do fundador do grupo de indústria aeroespacial Dassault tinha ativos no valor de cinco mil milhões de euros. Afastara-se da gestão dos negócios de família devido a incompatibilidades com o mandato de deputado.

PremiumTrump está de volta e aponta a mira às intercalares de 2022

No mesmo palco que permitiu lançar a carreira nacional de Ronald Reagan, o ex-presidente mostrou que ainda tem capital político muito significativo. E que o pretende usar, sem pedir licença ao resto do Partido Republicano.
Comentários