“Estamos todos comprometidos em crescer e valorizar os salários”, diz ministra do Trabalho

Ana Mendes Godinho disse esta quarta-feira, em conferência de imprensa, que o aumento do salário mínimo nacional “não tem sido impeditivo do crescimento da economia”.

A ministra do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social disse esta quarta-feira que a reunião em sede de concertação social, realizada hoje, marcou o arranque das discussões para um acordo sobre o salário mínimo nacional. “A economia está a conseguir diluir o peso dos trabalhadores que recebem o Salário Mínimo Nacional (SMN). O aumento do salário mínimo nacional não tem sido impeditivo do crescimento da economia”, assegurou Ana Mendes Godinho, em conferência de imprensa.

Aos jornalistas, a ministra revelou que os parceiros sociais voltam a encontrar-se no próximo dia 27 de novembro e que “ficou evidente” que todos estão “comprometidos com um objetivo comum: crescer e valorizar os salários”. Em relação ao valor apresentado pelo Governo [635 euros], referiu que o mesmo pressupõe que se irá fazer “evoluções anuais em função da evolução da economia e do comportamento do emprego”.

O Governo propôs aos parceiros sociais a subida do SMN para 635 euros no setor privado a partir de 1 de janeiro de 2020, tal como o Jornal Económico já tinha avançado em primeira mão. Trata-se de um aumento de 35 euros face à Retribuição Mínima Mensal Garantida (RMMG) de 600 euros.

“Ao assumir este compromisso, o Governo afirma que deve ser dada prioridade não apenas ao aumento do salário mínimo nacional, mas também a uma estratégia mais transversal de valorização dos salários e rendimentos em Portugal e de garantia da sustentabilidade das empresas”, pode ler-se na proposta elaborada pelo Ministério do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social.

O Executivo pretende atingir os 750 euros de salário mínimo em 2023 e que os impactos da atualização do salário mínimo “sejam monitorizados regularmente, em moldes a acertar com os parceiros sociais”, de acordo com o documento divulgado pelo ministério de Ana Mendes Godinho.

Relacionadas

CGTP diz que subida do salário mínimo para 635 euros não é suficiente

Arménio Carlos disse ainda que a subida do salário mínimo proposta pelo governo, não pode dificultar o aumento na Administração Pública. “O Estado não pode deixar de assumir as suas responsabilidades”, frisou.

Patrões: 635 euros de salário mínimo para 2020 é um “objetivo ambicioso” do Governo

“É preciso dar condições à economia e às suas empresas, se não forem dadas melhorias das condições teremos alguma dificuldade em atingir esse objetivo”, afirmou António Saraiva o patrão dos patrões, após receber a proposta do Governo.

Governo propõe subida do salário mínimo para 635 euros em 2020

Objetivo do Governo é atingir os 750 euros de salário mínimo nacional em 2023, uma meta que os patrões já consideraram ser demasiado ambiciosa.
catarina_martins_bloco_esquerda_legislativas_1

Bloco de Esquerda quer 35 horas no setor privado e mais férias para quem trabalha por turnos

Para o deputado, as propostas garantem “mais igualdade” e “justiça” entre os trabalhadores do setor público e do setor privado. Em Portugal, existem atualmente 750 mil trabalhadores por turnos.
Recomendadas

Bruxelas pede que não sejam concedidos apoios públicos a empresas com sede em paraísos fiscais

O objetivo da recomendação da Comissão Europeia passa por fornecer orientações aos 27 sobre como estabelecer condições para o apoio financeiro, que permitam prevenir a utilização abusiva de fundos públicos e reforçar as salvaguardas contra os abusos fiscais em toda a União Europeia.

PIB da Madeira pode diminuir entre 16% e 20% já este ano, diz Pedro Calado

O governante realçou que a estratégia de futuro vai passar pela construção de uma economia menos dependente do setor da construção e do turismo.

Reino Unido. Recessão de 14% poderá aumentar dívida pública em 400 mil milhões de libras

Numa perspetiva mais pessimista, a recessão poderá variar entre os 12,4% e os 14,3%, enquanto que num cenário mais otimista a queda poderá situar-se nos 10,6% e a dívida em 263 mil milhões de libras.
Comentários