Estatística em tempo de isolamento. INE pede às empresas, famílias e entidades que colaborem online

Pela internet ou telefone, o INE pede aos agentes económicos que continuem a fornecer a informação primária e minimizar a pertubação ao calendário de divulgação de dados. “A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia Covid19, depende crucialmente dessa colaboração que o INE antecipadamente agradece”.

Cristina Bernardo

O Instituto Nacional de Estatística (INE) reconheceu esta quarta-feira que o impacto da pandemia da Covid-19 poderá perturbar a produção e divulgação de dados no calendário previsto, mas pediu às empresas, famílias e entidades públicas para usararem a internet e o telefone para responder às solicitações de informação, de forma a manter a qualidade das estatísticas e identicar os impactos do surto do vírus em Portugal.

No divulgação relativa às contas públicas – no qual informou sobre o primeiro excendente orçamental na era da democracia – o INE salientou que “a informação deste destaque não reflete ainda a situação atual determinada pela pandemia Covid19”, adiantando que “é de esperar que as tendências aqui analisadas se alterem substancialmente”.

O INE explicou, no entanto, que a informação disponibilizada é útil para estabelecer uma referência para avaliar desenvolvimentos futuros.

Sublinhou que “apesar das circunstâncias, tentaremos manter o calendário de produção e divulgação, embora seja natural alguma perturbação associada ao impacto da pandemia na obtenção de informação primária”.

“Por esse motivo apelamos à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às solicitações do INE, utilizando a Internet e o telefone como canais alternativos aos contatos presenciais. Na verdade a qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia Covid19, depende crucialmente dessa colaboração que o INE antecipadamente agradece”, concluiu.

O surto do Covid-19 já fez 33 vítimas mortais em Portugal, com o número de infectados a atingir 2.362, segundo dados da Direção Geral de Saúde de dia 24 de março. Para tentar conter o surto o Presidente de República decretou a 19 de março o Estado de Emergência por duas semanas.

Ler mais

Relacionadas

Pela primeira vez em democracia, Portugal teve excedente orçamental de 0,2% em 2019

Centeno fecha 2019 com um excedente orçamental e supera as projeções inscritas pelo Governo no Orçamento do Estado para 2020, que apontava para um défice de 0,1% do PIB.

Dívida pública caiu para 117,7% do PIB no ano passado, de 122% em 2018

O INE adiantou que prevê que o rácio deverá descer para 114,9% do PIB este ano, o que compara com os 116,2% inscritos no Orçamento do Estado para 2020. A informação foi divulgada na primeira notificação do Procedimento dos Défices Excessivos.
Recomendadas

Mais de 80% dos pacientes infetados com Covid-19 estão a recuperar em casa

Segundo os dados hoje divulgados, existem 1.124 profissionais de saúde infetados pelo novo coronavírus (Covid-19) em Portugal.

Recorde. 10 milhões de norte-americanos perderam o seu emprego em duas semanas

Número semanal de pedidos de desemprego bate um recorde pela segunda semana consecutiva, atingindo os 6,6 milhões de trabalhadores. Em duas semanas, 10 milhões de norte-americanos perderam o seu emprego devido à pandemia da Covid-19.

CDS alerta para fim de apoios sociais a misericórdias que adiram ao lay-off

O Governo está a ultimar uma proposta de portaria sobre as medidas Covid-19 para o sector social que vai impedir da manutenção da comparticipação financeira da Segurança Social prevista nos acordos de cooperação sempre que as instituições sociais recorram aos mecanismos excecionais de apoio de apoio como o lay-off simplificado, alerta Filipe Lobo d´Ávila. Vice-presidente do CDS exige ao Governo  que “emenda a mão”.
Comentários