Estatística em tempo de isolamento. INE pede às empresas, famílias e entidades que colaborem online

Pela internet ou telefone, o INE pede aos agentes económicos que continuem a fornecer a informação primária e minimizar a pertubação ao calendário de divulgação de dados. “A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia Covid19, depende crucialmente dessa colaboração que o INE antecipadamente agradece”.

Cristina Bernardo

O Instituto Nacional de Estatística (INE) reconheceu esta quarta-feira que o impacto da pandemia da Covid-19 poderá perturbar a produção e divulgação de dados no calendário previsto, mas pediu às empresas, famílias e entidades públicas para usararem a internet e o telefone para responder às solicitações de informação, de forma a manter a qualidade das estatísticas e identicar os impactos do surto do vírus em Portugal.

No divulgação relativa às contas públicas – no qual informou sobre o primeiro excendente orçamental na era da democracia – o INE salientou que “a informação deste destaque não reflete ainda a situação atual determinada pela pandemia Covid19”, adiantando que “é de esperar que as tendências aqui analisadas se alterem substancialmente”.

O INE explicou, no entanto, que a informação disponibilizada é útil para estabelecer uma referência para avaliar desenvolvimentos futuros.

Sublinhou que “apesar das circunstâncias, tentaremos manter o calendário de produção e divulgação, embora seja natural alguma perturbação associada ao impacto da pandemia na obtenção de informação primária”.

“Por esse motivo apelamos à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às solicitações do INE, utilizando a Internet e o telefone como canais alternativos aos contatos presenciais. Na verdade a qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia Covid19, depende crucialmente dessa colaboração que o INE antecipadamente agradece”, concluiu.

O surto do Covid-19 já fez 33 vítimas mortais em Portugal, com o número de infectados a atingir 2.362, segundo dados da Direção Geral de Saúde de dia 24 de março. Para tentar conter o surto o Presidente de República decretou a 19 de março o Estado de Emergência por duas semanas.

Ler mais

Relacionadas

Pela primeira vez em democracia, Portugal teve excedente orçamental de 0,2% em 2019

Centeno fecha 2019 com um excedente orçamental e supera as projeções inscritas pelo Governo no Orçamento do Estado para 2020, que apontava para um défice de 0,1% do PIB.

Dívida pública caiu para 117,7% do PIB no ano passado, de 122% em 2018

O INE adiantou que prevê que o rácio deverá descer para 114,9% do PIB este ano, o que compara com os 116,2% inscritos no Orçamento do Estado para 2020. A informação foi divulgada na primeira notificação do Procedimento dos Défices Excessivos.
Recomendadas

Von der Leyen aguarda “bons resultados” da presidência portuguesa da UE

Numa entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal desde que assumiu a presidência do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, antecipando a quarta presidência portuguesa da União, sublinha que esta “surge num momento crucial”, pois a pandemia, que provocou a maior crise na Europa desde a II Guerra Mundial, “ainda não acabou e a recuperação está ainda numa fase inicial”.

Von der Leyen: Portugal está no bom caminho energético e digital

“Já antes da pandemia, Portugal estava no bom caminho para garantir um cabaz energético mais limpo e uma maior digitalização”, declara a responsável, numa entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal enquanto presidente do executivo comunitário.

Portugal será importante beneficiário do fundo de recuperação, sublinha Von der Leyen

Em entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal enquanto presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen afirma que “os cidadãos portugueses lutaram de forma muito corajosa e disciplinada contra o vírus e até têm sido mais bem-sucedidos do que outros”, e podem contar com o apoio da UE, que ajudará igualmente a “impulsionar” a retoma da economia portuguesa.
Comentários