Estes são os 10 países mais seguros do mundo. Portugal está na lista

Da Europa à América do Norte, os países considerados os mais seguros do mundo têm vindo a progredir no sentido de diminuir a violência, aproximar as pessoas e oferecer melhores condições de trabalho, bem como uma maior qualidade de vida.

O Índice Global da Paz, produzido pelo Institute for Economics and Peace (IEP) classifica os países com base em três fatores: segurança e proteção da sociedade, conflitos domésticos e internacionais em andamento e nível de militarização. Ao examinar 99,7% da população mundial através desses três domínios, chega-se à pontuação do ‘GPI’, que este ano revela que a “tranquilidade” deteriorou-se.

A pandemia de Covid-19 teve um impacto significativo sobre a violência. Embora os conflitos violentos tenham diminuído, o número de manifestações violentas aumentou substancialmente – um total de mais de cinco mil eventos violentos relacionados à Covid-19 aconteceram durante o ano passado. Entre as várias motivações para esses eventos, têm como base as restrições impostas devido à pandemia, sentimentos antigovernamentais, confinamentos, aumento da taxa de desemprego e falta de apoio económico, considera o IEP.

Recomendadas

Bruxelas já recebeu proposta de orçamento de Portugal e de 17 outros países

A informação consta da página da internet do executivo comunitário, na qual se especifica que a proposta portuguesa de OE2022 foi entregue na passada sexta-feira, juntamente com a de países como Áustria, França, Bélgica, Chipre, Estónia, Alemanha, Grécia, Irlanda, Lituânia, Malta, Holanda, Eslovénia, Espanha.

Preços na produção industrial aumentaram 13,3% face a período homólogo

Os contributos mais intensos partem dos agrupamentos de energia e bens intermédios que obtiveram 7% e 5,2%, respetivamente, resultantes de variações homólogas de 39,4% e 14,1%, quando em agosto os valores registados eram de 29,7% e 13,1% pela mesma ordem.

Exportação de vinhos portugueses sobe 13% até agosto para 581 milhões de euros

“As exportações totais foram de 581 milhões de euros [até agosto], mais 13% do que no ano passado”, adiantou o presidente da ViniPortugal, Frederico Falcão, em declarações à Lusa, a propósito dos 25 anos da associação.
Comentários