Estímulos económicos e palavras de Trump impulsionam Wall Street

Nos EUA, Donald Trump revelou que não existe qualquer perigo de recessão para a economia norte-americana, o que está a ter um impacto positivo nos índices bolsistas

A trader wears glasses that say “2017” ahead of the new year on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) in Manhattan, New York City, U.S., December 30, 2016. REUTERS/Stephen Yang

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque iniciaram a primeira sessão da semana com ganhos, impulsionados por estímulos económicos de diversos governos. No domingo, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, negou estar preocupado com uma possível desestabilização da economia norte-americana.

Esta segunda-feira, no início da sessão, o S&P 500 subia 1,23%, para 2.924,13 pontos; o tecnológico Nasdaq ganhava 1,48%, para 7.717,01 pontos; e o industrial Dow Jones avançava 0,90% para 26.119,55 pontos.

As medidas para estimular a economia anunciadas pela Alemanha e pela China estão a impulsionar o sentimento do mercado. Depois de a chanceler alemã, Angela Merkel, ter anunciado estímulos de 50 mil milhões de euros, o banco central chinês introduziu um plano para alterar a taxa de juro diretora para um sistema que tenha mais em consideração as dinâmicas do mercado.

O banco central chinês anunciou ainda a possibilidade de vir baixar as taxas de juro aplicadas aos empréstimos das empresas.

Nos EUA, Donald Trump revelou que não existe qualquer perigo de recessão para a economia norte-americana, o que está a ter um impacto positivo nos índices bolsistas. O presidente norte-americano deu ainda uma trégua de 90 dias à tecnológica chinesa Huawei.

“Não creio que tenhamos uma recessão”, disse Donald Trump, no domingo. O presidente norte-americano insistiu que a guerra comercial com a China “não está a causar danos” aos EUA.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está a subir. Em Londres, o barril de Brent avança 1,48%, para 59,51 dólares. Nos EUA, o West Texas Intermediate sobe 1,82%, para 55,87 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Wall Street fecha em alta impulsionada pela Alemanha

Os mercados foram impulsionados pela notícia de que a Alemanha prepara estímulos fiscais para evitar uma recessão económica. Wall Street subiu mais de 1%.

Protestos em Hong Kong podem atrasar entrada da Alibaba na bolsa asiática

A empresa chinesa prepara-se para lançar o maior IPO de 2019 ainda no terceiro trimestre do ano, mas os protestos em Hong Kong estarão a fazer com que o grupo cotado em Wall Street pondere outra data, segundo fontes da Reuters.
Recomendadas

“Corremos o risco de a zona euro quebrar”, afirma governador do Banco de Portugal

Carlos Costa diz que “nenhuma economia está preparada para uma crise desta natureza” e volta a defender os ‘coronabonds’, em entrevista ao semanário “Expresso”.

Wall Street cai mais de 3% apesar da “bazuca” de 2,2 biliões de dólares

Março de 2020 ficará para a história dos mercados como um dos meses mais loucos de sempre. NYSE fechou em queda num dia em que Congresso dos Estados Unidos entrega um pacote de resgate de 2,2 biliões de dólares.

Bolsas regressam às quedas com setor automóvel a liderar. BCP cai 4% ao adiar dividendos

As desvalorizações mais expressivas dos setores Auto e de Viagens & Lazer espelham a preocupação dos investidores quanto à evolução da pandemia Covid-19, segundo a análise do analista da Mtrader. O BCP cai em bolsa 4% depois de cancelar dividendos e em dia de moratória de créditos.
Comentários