Estrangeiros a viver em Portugal ultrapassam os 500 mil pela primeira vez

Os estrangeiros a residir em Portugal ultrapassaram os 500 mil no ano passado, o que aconteceu “pela primeira vez na história” do país, anunciou hoje no parlamento o ministro da Administração Interna.

Cristina Bernardo

“Os dados preliminares levam a dizer que em 2019, pela primeira vez na nossa história, é ultrapassada a barreira do meio milhão de cidadãos estrangeiros a residir em Portugal”, disse Eduardo Cabrita no âmbito da discussão na especialidade, na Assembleia da República, do Orçamento do Estado para 2020.

Segundo o ministro, residiam em Portugal 580 mil cidadãos estrangeiros no final do ano passado e, em 2018, esse número era situava-se nos 490 mil.

O governante frisou também que o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) passou de 35 mil para 135 mil novas autorizações de residência, comparando 2015 a 2019.

Relacionadas

OE2020: MAI anuncia recrutamento de 10 mil efetivos para forças de segurança até 2023

O ministro da Administração Interna anunciou hoje no parlamento o recrutamento de cerca de 10 mil elementos para as forças e serviços de segurança até 2023 no âmbito do plano plurianual da admissão.
Recomendadas

OE2020: ‘coligação negativa’ para descer IVA da eletricidade ganha força e faz tremer Governo

O PSD e PCP estão disponíveis para negociar com o BE. Dizem que um eventual apoio a propostas semelhantes de outros partidos não deve ser “diabolizado” e não seria “nenhuma coligação circunstancial ou negativa”. O BE diz que não desiste da redução do IVA da eletricidade para a taxa mínima, mas deixa em aberto uma eventual negociação com o PSD e PCP. PS garante estar empenhado contra “coligações negativas”.

Iniciativa Liberal responde a “taxa Netflix” do Bloco com fim de todas as taxas de televisão

Proposta de alteração à proposta do Orçamento do Estado para 2020 também defende fim da contribuição audiovisual, que seria a consequência da privatização da RTP. E que na cultura “se deve incentivar a procura, ao invés de se dar subsídios à oferta, muitas vezes de forma pouco transparente”.

Elisa Ferreira: “Europa tem de começar a pensar seriamente em reforçar o orçamento com recursos próprios”

A comissária europeia para a Coesão e Reformas lamentou a proposta da Finlândia de alocar 1,07% do rendimento nacional bruto dos Estados-membros ao orçamento comunitário e admite que seria preciso ter ido “mais longe” mesmo na sugestão da Comissão, que é de 1,11%.
Comentários