Estudo indica que automação pode fazer desaparecer 1,1 milhões de empregos em Portugal

A indústria transformadora e o comércio serão os setores mais afetados pelas novas tecnologias, segundo um estudo que prevê uma perda de 1,1 milhões de postos de trabalho até 2030 devido à automação. Mas a automação também traz boas notícias.

REUTERS/Christinne Muschi

A estimativa consta do estudo ‘Automação e o Futuro do Trabalho em Portugal’, elaborado pelo McKinsey Global Institute e pela Nova School of Business and Economics, e que será apresentado nesta quinta-feira, na conferência ‘O Futuro do Trabalho em Portugal’, organizada pela Confederação Empresarial de Portugal, que terá lugar no Museu da Eletricidade, em Lisboa.

Segundo o estudo, que analisou cerca de 800 profissões e 2000 tarefas desempenhadas em diversos setores de atividade – identificando 18 competências de base necessárias para desempenhar qualquer posição e a capacidade de automação de cada uma delas -, Portugal tem “um elevado potencial de automação, quando comparado com outros países”, visto que o peso da indústria transformadora na economia nacional ainda é considerável.

Cerca de metade do tempo despendido pode ser automatizado com as tecnologias que já existem, e essa percentagem de tempo crescerá para 67% em 2030, pelo que um cenário em que 26% desse tempo fosse automatizado levaria à perda de 1,1 milhões de postos de trabalho até essa data. Além da indústria transformadora, também o comércio será afetado.

Oportunidades de crescimento

Em sentido contrário, a automação e o crescimento económico que daí advém pode levar, ainda segundo o estudo apresentado nesta quinta-feira, à criação de 600 mil a 1,1 milhões de novos postos de trabalho até 2030. Os setores mais beneficiados pela “enorme oportunidade” da transformação digital da sociedade e da economia nacionais serão a saúde, assistência social, ciências, profissões técnicas e construção.

Os autores do estudo advertem que cerca de 1,8 milhões de trabalhadores portugueses terão de melhorar competências ou mudar de emprego até 2030, o que “coloca desafios significativos que exigirão um papel ativo tanto pelo Governo como pelo setor privado no processo de reconversão da força de trabalho”.

Ler mais

Recomendadas

Açores em números. Economia regional representa 2% do PIB de Portugal

Uma casa neste arquipélago vale menos 146 euros por metro quadrado do que a média nacional. Só o município de Ponta Delgada tem poder de compra per capita superior à média do país. Estes e outros indicadores estatísticos neste retrato da região autónoma.

Banco central baixa previsão sobre queda da economia brasileira para 5%

As novas estimativas estão em linha com as projeções de agentes do mercado consultados semanalmente pelo Banco Central, que prevê uma retração económica de 5,05% no PIB brasileiro em 2020. O Brasil ainda recupera de uma grave recessão entre os anos de 2015 e 2016, período em que o PIB caiu sete pontos percentuais.

Wall Street aguenta, mas perdeu fôlego ao longo do dia

Os principais índices do outro lado do Atlântico estiveram a subir, mas no final do dia acabaram por ceder. Mesmo assim, dizem os analistas, os investidores continuam a confiar em novos estímulos à economia.
Comentários