Estudo indica que mais de 50% dos computadores empresariais não vão poder usar Windows 11

A falta de hardware TPM 2.0 é a principal culpada para que os computadores empresariais não possam ser actualizados para o novo Windows 11.

Como é de conhecimento público, o Windows 11 é lançado no dia 5 de Outubro de 2021. Um aspecto deste novo sistema operativo da Microsoft, que também já é de conhecimento geral, é que a Microsoft apertou bastante os requisitos mínimos, o que criou muita incerteza acerca da possibilidade de actualizar do Windows 10 para Windows 11 na comunidade de utilizadores.

A Microsoft lnaçou uma nova versão da aplicação de auditoria PC Health Check para esclarecer os interessados, mas a confusão, e a frustração, continuam a existir por causa dos requisitos de processador e de a presença de um chip TPM que são necessários para poder instalar o sistema.

Os consumidores domésticos não são os únicos que estão a descobrir que os seus computadores relativamente recentes não vão poder usar o Windows 11. Os computadores instalados nas empresas também parecem não estar preparados para usar o novo sistema. A empresa de gestão de recursos de TI Lansweeper, publicou um estudo, que indicou que mais de 55% das estações de trabalho não têm os requisitos mínimos para poderem usar o Windows 11.

Os dados foram obtidos a partir de 60000 organizações e correspondem a 30 milhões de dispositivos Windows. O principal obstáculo à instalação do Windows 11 é a falta de um processador mais moderno.

Já no que respeita a máquinas virtuais, apenas 0,23% conseguem funcionar com Windows 11, devido à falta de TPM.

PCGuia
Recomendadas

Pressionadas pelo aumento da procura e falta de carros, plataformas TVDE procedem a ajustes (com áudio)

O desconfinamento da economia, e o facto de haver menos carros disponíveis, está a pressionar os preços que funcionam consoante a oferta e a procura. Empresas dizem que já estão a tomar medidas para aliviar pressão tarifária.

Facebook nega acusações de não fazer o suficiente no combate ao discurso de ódio

Os documentos internos do Facebook que foram disponibilizados por Frances Haugen, vistos pelo WSJ, incluem informações sobre uma equipa de funcionários que supostamente descobriram que a rede social foi bem-sucedida em remover apenas 1% das publicações que violam as próprias regras da empresa.

Facebook anuncia criação de dez mil novos empregos na UE nos próximos 5 anos

O Facebook anunciou que vai criar 10.000 novos empregos na União Europeia (UE) nos próximos cinco anos e colocar a região no centro dos seus planos para ajudar a construir o metaverso.
Comentários