Estudo: Indústria dos combustíveis fósseis caminha para um processo de “declínio terminal”

O estudo da Carbon Tracker aponta que a procura por combustíveis fósseis poderá nunca recuperar totalmente depois do colapso causado pela pandemia de Covid-19.

Zbynek Burival on Unsplash

Energia renovável barata, políticas climáticas e o coronavírus estão a arrastar as empresas de combustíveis fósseis para um processo de “declínio terminal” que pode desencadear uma nova crise financeira, a menos que os reguladores atuem, de acordo com o estudo Carbon Tracker publicado esta quinta-feira, dia 4 de junho, segundo a “Reuters”.

O Carbon Tracker, que se  intitula como um “grupo de reflexão financeira sem fins lucrativo” avalia os riscos para a indústria de petróleo, gás natural e carvão devido ao crescimento da indústria . De acordo com este relatório, a procura por matérias fósseis poderá nunca recuperar totalmente depois do colapso causado pela pandemia de Covid-19.

Kingsmill Bond, co-autor  do estudo, diz que a inovação tecnológica e o apoio político eram os dois grandes alicerces que suportavam a procura por combustíveis fósseis “setor a setor e país a país”. Bond acrescenta que “podemos ter assistido ao pico da procura por combustíveis fósseis como um todo. Estamos neste momento a testemunhar o declínio e a queda do sistema de combustíveis fósseis”.

Ainda assim, a procura por combustíveis fósseis poderá recuperar após o final da pandemia, com muitas projeções a apontar que compra de petróleo, em particular, possa regressar progressivamente à medida que os bloqueios começarem a ser levantados.

No entanto, o trabalho da Carbon Tracker é amplamente conhecido devido ao seu papel em informar iniciativas regulatórias internacionais sobre as mudanças climáticas, lideradas pelo enviado das Nações Unidas Mark Carney, ex-governador do Banco da Inglaterra.

O relatório diz que as empresas de combustíveis fósseis valem 18 biliões de dólares (16 biliões de euros) em ações listadas, um quarto do valor dos mercados globais de ações.

Devido às vulnerabilidades e perturbações que este setor atravessa, os reguladores devem garantir que as empresas respondem adequadamente ao provável impacto do acordo climático de Paris de 2015 na sua futura lucratividade, afirma o relatório.

Ler mais
Recomendadas

‘Green Deal’. CEO da Jerónimo Martins Agro-alimentar defende que produção animal exige “maior disciplina”

Na última conferência do ciclo para a concretização de uma visão estratégica para o agroalimentar em Portugal, promovida pela Lusomorango, à qual o Jornal Económico é media partner, António Serrano argumentou que, “à partida, a pressão vai estar na produção animal, em particular na produção de carne e de leite”. Isto por serem “áreas mais expostas”.

Arábia Saudita faz “ajuste voluntário adicional” de um milhão de barris de petróleo em fevereiro, março e abril

Diamantino Pedro Azevedo, ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás de Angola, enquanto presidente da Conferência da OPEP de 2021, deu início à 15ª Reunião Ministerial da OPEP e não OPEP, realizada esta quinta-feira, 1 de abril de 2021, por vídeo conferência, na qual destacou o papel da Arábia Saudita na recuperação da cotação internacional do petróleo.

Pandemia pode abrir “janela de oportunidade” no combate às alterações climáticas, afirma António Costa Silva

Uma ideia partilhada pelo professor alemão Ottmar Edenhofer, diretor e economista-chefe do Instituto Potsdam de Investigação do Impacto Climático, que considerou que a UE atingir as emissões zero em 2050 “é exequível”, mas que, para tal, “precisa preparar as instituições para esse objetivo”.
Comentários